Deputado diz que relatório quadrimestral de saúde do governo do AM “é uma farsa”

O deputado levou a tribuna uma denúncia de falta de remédios e insumos básicos no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Alvorada

IPVA Wilker Barreto

Foto: Divulgação

Durante sessão na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) realizada nesta terça-feira (28), o deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania), trouxe à tona diversas denúncias sobre a falta de remédios e insumos básicos no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do Alvorada. De acordo com ele, a situação mostra o extremo oposto do que indicou o 1º Relatório Quadrimestral da Saúde 2022, apresentado no último dia 20 de junho, onde o Governo do Amazonas afirma que a rede pública está abastecida de insumos e medicamentos.

Durante a fala na tribuna, Wilker mostrou mensagens de Whatsapp com o relato de uma pessoa que teria ido ao SPA do Alvorada, na última segunda-feira (27), em busca de atendimento para à mãe. O denunciante detalhou o descaso da saúde. “Não tinha agulha nem medicação e só um médico atendendo todo mundo”, e contou ainda que “o pessoal ‘tava’ comprando agulha na farmácia da frente”.

Para Wilker Barreto, a situação mostra que o relatório feito pela Gestão Wilson Lima (União Brasil) é uma farsa. “O relatório da saúde entregue a esta Casa é uma farsa. Lá, diz que a Cema está abarrotada de remédios, com mais de 75% de estoque, como, se nos hospitais não têm agulha, EPIs, Buscopan, Pantoprazol… Um documento oficial, que farsa é essa? Para onde está indo o dinheiro do contribuinte? ”, questionou Barreto.

Ele mostrou no telão do plenário da Aleam outra denúncia, feita no último dia 21 de junho, sobre a falta de Dipirona, Buscopan e Pantoprazol no Hospital e Pronto Socorro João Lúcio. A revelação foi feita por uma paciente que foi à unidade hospitalar para tratar uma crise de vesícula e foi informada sobre a ausência dos remédios.

Wilker afirmou ainda outra discordância do relatório, em relação ao dado que registra 76,91% de abastecimento da CEMA, tendo em vista que na ação F2 – Fornecimento de Medicamentos e Produtos para Saúde de Uso Hospitalar e Ambulatorial, dois itens estão zerados: 1- Revisar os padrões dos medicamentos de uso hospitalar e ambulatorial das unidades de saúde e 2- Realizar visita técnica e avaliação da Assistência Farmacêutica nas Unidades de Saúde da SES-AM de administração direta. Pela análise de Barreto, tal informação supõe que a pasta da saúde abastece a CEMA sem saber a real necessidade das unidades de saúde do Estado, comprovando a falta de planejamento da SES e o estoque vazio nos hospitais.

De acordo com Wilker, a atual gestão desconhece a realidade dos hospitais do estado. “A SES abastece a CEMA sem ter o mínimo de conhecimento que as outras unidades de saúde estão precisando, é um exemplo claro da falta de gestão da pasta e que justifica estoques vazios nos hospitais, obrigando pacientes a comprarem remédios com seu próprio dinheiro”, ponderou.

Wilker ainda aproveitou o tempo para voltar a cobrar a convocação do secretário estadual de Saúde, Sr. Anoar Samad, que tem dado pouca ou nenhuma importância aos convites feitos pelo Poder Legislativo para ir dar informações aos deputados sobre soluções para os inúmeros problemas na saúde pública do Estado.

“A saúde do Amazonas pede socorro, reitero que o secretário de saúde tem que vir a esta Casa. Como é que eu posso me calar vendo o dinheiro do povo indo para o ralo, gastos desnecessários, pagamentos suspeitos e unidades de saúde sem o mínimo, isso não é normal”, finalizou.