Deputado diz que vereadores de Presidente Figueiredo vão formalizar denúncia contra Romeiro

O presidente da Comissão de Ética da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Vicente Lopes, que tem uma forte ligação com o município de Presidente Figueiredo, onde tem base eleitoral, contou ao Radar que os vereadores daquele município vão formalizar à Justiça e aos órgãos de Controle Externo do Poder Público as denúncias feitas contra o prefeito da cidade Romeiro Mendonça.

O parlamentar disse que considera de menor importância questões políticas e partidárias nesse momento. Ele defende que, acima de qualquer coisa, o prefeito de Presidente Figueiredo tem que explicar denúncias sérias como a contratação de duas empresas para o mesmo serviço de dotar de infraestrutura os eventos realizados na cidade e por valores que não condizem com o atual momento de crise econômica.

Vicente Lopes acha grave também as denúncias de contratação de temporários quando foi realizado um concurso público. “O concurso foi realizado, inclusive, com orientação do Tribunal de Contas do Estado. E o prefeito desconsidera o concurso e contrata sem nenhuma formalização legal?”, questiona Vicente Lopes.

Ele disse que as denúncias feitas pelos vereadores de Figueiredo vão gerar Mandado de Segurança junto ao Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e vão ser formalizadas juntos ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) e Ministério Público do Estado (MPE-AM). “Os vereadores pretendem ainda ingressar com Ação Civil Pública contra o prefeito pelo crime de adulteração dos Projetos de Lei aprovados no Legislativo municipal e que têm seus textos modificados pelo Executivo”, explicou Vicente Lopes.

Torneiras da corrupção,

Para o líder do PMDB na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Vicente Lopes, o governador José Melo (Pros) não tem o direito de sacrificar ainda mais a população com a cobrança de novos impostos.

O que o governador precisa, segundo o parlamentar, é “trancar as torneiras dos desvios de recursos e da corrupção”, a exemplo dos mais de R$ 100 milhões retirados da Saúde, conforme mostrou a Operação Maus Caminhos. Além de obras superfaturadas, não realizadas e pagas, como aconteceu no município de Coari.

Vicente Lopes disse isso à imprensa, nesta quarta-feira (15), fazendo duras críticas ao Projeto de Lei do governo para aumentar em 2% a alíquota do ICMS (Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre a gasolina e o diesel, além de vários outros produtos

Propaganda enganosa

Vicente Lopes insistiu no argumento de que “o povo não pode pagar a conta que não fez” e chamou a atenção para os gastos com propaganda do governo. “É mais um apelo que eu faço, para que respeitemos o povo e tenhamos consciência de que paciência tem limite, que não podemos abusar da paciência das pessoas, que não podemos tripudiar sobre a população que está atenta sobre nós”, argumentou o deputado, acrescentado: “o governo precisaria dar o exemplo de boa aplicação e transparência nos gastos públicos, não fazer gastos desnecessários como, por exemplo, as propagandas governamentais, que não dizem nada, não trazem nada, mas gasta-se uma fortuna com os meios de comunicação, para fazer divulgação daquilo que sabemos que não é verdadeiro”.