Deputado PM Alberto Neto chama matéria jornalística de “Fake News” e ameaça jornalistas com prisão

O deputado federal capitão PM Alberto Neto, visivelmente irritado com a matéria feita pela redação do Radar intitulada “O super-herói dos quadrinhos, capitão Alberto Neto, recebeu R$ 177 mil da PM do Amazonas sem trabalhar”, partiu para a estratégia usada por ele e o grupo político do qual faz parte, todas as vezes que são confrontados com acusações de práticas ilegais: discurso patriótico demagógico, palavras ofensivas e ameaças.

O deputado PM, alçado à condição de herói em histórias em quadrinhos criadas por ele próprio, comete o primeiro erro ao confundir, propositalmente, é lógico, o que é Fake News e o que é matéria jornalística. Qualquer um sabe que “Fake News” é notícia falsa, sem informações de fontes oficiais, sem documentação, sem provas, conteúdo vazio apenas com a intenção de disseminar a mentira, o ódio, a intolerância, exatamente como aconteceu com dezenas de notícias falsas espalhadas pelos “robôs” do então candidato a presidente Jair Messias Bolsonaro – não por acaso, líder político do deputado –  nas redes sociais através de programas de computador com perfis falsos. E quem está dizendo isso sobre as redes bolsonaristas de Fake News não sou euzinha, são pesquisadores de Universidades Federais, ou serviços oficiais de monitoramento de conteúdos duvidosos, como por exemplo, o Fato ou Fake, do site G1 da Globo.

E já que o deputado federal PM Alberto Neto tem tanta aversão a Fake News, então era bom explicar, porque não disse nadica de nada quando o presidente Jair Bolsonaro vetou, em junho deste ano, parte da Lei 13.834/2019 que determinava uma pena mais severa para quem reproduzisse notícias falsas para fins eleitorais envolvendo candidatos. Só que para irritação de Bolsonaro e sua trupe, 326 deputados e 48 senadores derrubaram o veto e agora quem cria ou simplesmente replica “Fake News” eleitorais pode pegar de dois a oito anos de prisão. #ficadicacapitão

Vale destacar que a matéria do Radar sobre os ganhos do deputado federal Alberto Neto, que ultrapassam cinquenta mil reais a cada mês, exercendo apenas a função pública em Brasília, tem como fontes o site Transparência do Governo do Estado e o site Transparência da Câmara Federal. Como criar Fake News com dados oficiais, capitão?

E o deputado Alberto Neto não para suas agressões verbais nas acusações de Fake News. Assim como seu líder político, ele adora uma teoria da conspiração para poder criar mais uma história de salvador da pátria. Bolsonaro sempre acusa alguém de estar conspirando contra ele, quando não são as ONGs, são cientistas, são ambientalistas ou presidentes de outros países e, logicamente, o alvo preferencial da trupe bolsonarista, os jornalistas.

O deputado federal PM acusa os jornalistas de estarem à serviço de outros políticos para atacá-lo porque, segundo ele, seu nome apareceu nas pesquisas para prefeito de Manaus. Foi mesmo é? Onde estava essa pesquisa que eu num vi, gente?

Mas, o ponto alto do devaneio do deputado federal Capitão PM de que pode prender e arrebentar, é que ele “vai botar na cadeia os falsos jornalistas que querem servir a políticos corruptos”. Mas o que é corrupção mesmo, hein capitão? Qual o nome que se dá pra quem ganha mensalmente mais do que um ministro do STF acumulando duas funções públicas e dois salários? A gente compreende o ódio contra jornalistas porque, nossa busca pela verdade, deixa claro quem são os mitos e heróis dessa Nação.