Deputado requer convocação do vice-governador após denúncias à imprensa nacional contra Wilson Lima 

Deputado Dermilson Chagas/ Vice-governador Carlos Almeida

Deputado Dermilson Chagas/ Vice-governador Carlos Almeida/ Foto: reprodução/montagem Radar Amazônico

Após o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida (sem partido), ter feito graves denúncias em entrevista à Folha de São Paulo, sobre uma “política de contaminação”  feita no no Estado durante a pandemia pelo governador Wilson Lima (PSC), alinhado as ações do presidente Messias Bolsonaro (sem partido), o deputado Dermilson Chagas (Podemos) defendeu a presença do vice-governador na Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam). O parlamentar  encaminhou requerimento à Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), no qual convida o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida, a prestar esclarecimentos sobre as denúncias.

“O vice-governador afirmou, entre outras acusações graves que esta Casa precisa esclarecer, que o colapso na saúde de Manaus foi resultado da ‘política de contaminação’ de imunidade de rebanho defendida pelo presidente Bolsonaro e assumida pelo governador Wilson Lima”, relatou o deputado, lembrando que isso teria resultado nas milhares de mortes foram registradas no Amazonas.

Mais grave ainda, destacou o parlamentar, é que essa “política de contaminação” praticada pelo governo de Wilson Lima teria sido apenas para angariar a simpatia do presidente Messias Bolsonaro. O parlamentar lembrou que Carlos Almeida disse na entrevista  que a estratégia de Wilson Lima era demonstrar alinhamento com o governo federal, após se tornar alvo de investigações na Polícia Federal por suspeita de fraude na compra de respiradores. Desse modo, medidas de proteção mais restritivas perderam lugar para a noção de contaminação em massa, idealizando uma suposta imunização coletiva.

“Eu até entendo que esta Casa não quer investigar, não quer condenar o governador Wilson Lima por improbidade administrativa. Mas se calar mediante essas mortes durante a segunda onda da pandemia é um absurdo e não pode passar em branco. Gostaria que os membros desta Casa entendessem que esse pedido é só para trazer esclarecimentos e informações que o vice-governador tem para dar à sociedade”, comentou Dermilson Chagas.

‘Pessoas nocivas ao Estado’

O deputado Dermilson Chagas lembrou que as acusações que o vice-governador faz à gestão Wilson Lima já são antigas, pois, quando Carlos Almeida deixou o cargo de chefe da Casa Civil e, em seguida, se afastou da vice-governadoria, ele divulgou uma carta na qual afirmava que no Governo do Amazonas havia pessoas “nocivas ao Estado”.

“Nessa carta, o vice-governador foi muito contundente e essa carta é muito forte, falando das pessoas que estão no Governo e que são ‘nocivas ao Estado’. E, na Folha de São Paulo, ele fala muito claramente dos erros do Governo. Esta Casa tem obrigação de investigar e não pode deixar passar em branco esse depoimento do Carlos Almeida”, enfatizou o parlamentar.

Mortes na segunda onda

O deputado Dermilson Chagas lembrou aos deputados que a Aleam realizou a CPI da Saúde, mas nela não estavam inclusas os erros do Governo durante a segunda onda da pandemia, especialmente das mortes por falta de oxigênio, e que Carlos Almeida também falou sobre este assunto na sua entrevista à Folha de São Paulo.

“Carlos Almeida denunciou a falta de ação da gestão Wilson Lima diante da crise do desabastecimento de oxigênio na capital. Ele afirmou que a empresa White Martins avisou com antecedência sobre o ‘estouro’ no abastecimento de insumos para pacientes com Covid-19, e que, mesmo assim, o Governo do Amazonas demorou para acionar o governo federal e quando o fez o caos já estava instalado e o resultado disso é que 31 vidas foram infelizmente perdidas”, lamentou o parlamentar.

Dermilson Chagas disse, ainda, que o Congresso Nacional vem avançando na discussão da pandemia e na investigação em relação à omissão dos secretários de Saúde, dos governadores e do presidente da República, e esta Casa, até hoje, fez uma CPI da Saúde que não investigou a pandemia, somente o caso da compra dos respiradores. E o governador já está sendo denunciado como chefe de quadrilha pela Procuradoria-Geral da República e Ministério Público, então não podemos ter dúvidas sobre as investigações que a Polícia Federal fez e nem fechar os olhos para o que o vice-governador disse”.

(*) Com informações da assessoria