Deputados alertam que criação de “superministério” de Bolsonaro ameaça a Zona Franca de Manaus

Após o anúncio do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) de criar um “superministério” da Economia, fundindo os Ministérios da Fazenda, do Planejamento, Indústria e Comércio, o deputado estadual José Ricardo (PT) voltou a falar sobre as preocupações e ameaças a Zona Franca de Manaus (ZFM) quanto às futuras ações do novo governo brasileiro a partir de 2019.

“Até em que nível poderemos atrair novas empresas para o Polo Industrial de Manaus caso essa fusão se concretize? Além disso, o presidente eleito e seu superministro Paulo Guedes defendem a redução de subsídios e incentivos fiscais ‘generosamente’ concedidos a certos segmentos da atividade econômica. É bom lembramos que as empresas só estão no Estado por conta dessa constante política fabril de incentivos fiscais. Por isso, a Zona Franca está frontalmente ameaçada”, disse José Ricardo.

O parlamentar destacou que será contra a fusão e disse que cada ministério tem sua função. “No caso do Ministério da Indústria e Comércio Exterior e Serviços (Mdic), tem uma função desenvolvimentista, porque defende políticas de incentivos para ajudar a alavancar determinados setores da economia”, detalhou durante discurso na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), nessa quarta-feira (31).

Ele também criticou a fusão dos Ministérios do Meio Ambiente com Agricultura e possível aprovação da Reforma da Previdência ainda este ano.

Reforçando o coro contra a criação do“superministério” de Bolsonaro, o deputado Serafim Corrêa (PSB) também disse que a medida ameaça diretamente a ZFM e pode resultar no fechamento da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

“Lamento profundamente que os rumos que o Brasil esteja tomando sejam esses, porque isso não vai dar certo, vai dar errado. Nós levamos anos para construir o que temos e de repente numa canetada vai tudo para o espaço. Então, fica meu repúdio às medidas anunciadas, elas já trouxeram ontem muita instabilidade no Distrito Industrial. Novos investidores vão pensar duas vezes antes de vir para o Polo Industrial. Não há segurança jurídica”, avaliou o parlamentar.

Serafim lembrou, ainda, que a ideia de criar um superministério é uma reprise do que não deu certo do governo de Fernando Collor, quando nomeou Zélia Maria Cardoso de Mello para ser “superministra” de Economia nos mesmos moldes apresentados por Bolsonaro.

Com informações da assessoria dos deputados.