Deputados aprovam projeto que transforma Bolsonaro em cidadão do Amazonas

Foto: Aleam

Com apenas um voto contrário, o do deputado Serafim Corrêa (PSB) e com uma abstenção, do deputado Dermilson Chagas (Podemos), 19 dos 21 parlamentares presentes à sessão plenária da Assembleia Legislativa do Estado desta terça-feira (20), aprovaram o projeto de Lei nº 187/2021 que concede o título de cidadão do Amazonas ao presidente Jair Messias Bolsonaro. O projeto é de autoria do deputado delegado Péricles, do PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi eleito.

Os parlamentares estaduais minimizaram a importância aos ataques feitos pelo governo Bolsonaro à Zona Franca de Manaus, como por exemplo a redução do imposto de importação de bicicletas, o que beneficiaria o produto importado da China, e a redução do IPI do setor de concentrados de refrigerantes, que causou a transferência da fábrica da Pepsi do Amazonas para os Estados Unidos. Isso sem contar com campanhas de descrédito que enfraquecem o modelo ZFM e afastam novos investimentos, encabeçadas pelo próprio ministro da economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, que dá entrevistas classificando a ZFM de “modelo ruim”, “antieconômico”, “tudo é malfeito” e que “custa bilhões em renúncia aos cofres públicos”.

Na defesa do seu projeto, o deputado delegado Péricles, reafirmou os ataques a ZFM feitos por Guedes, mas tratou a questão como se o presidente Bolsonaro não tivesse nada a ver com isso. Nas palavras do deputado delegado, talvez o principal ministro de Bolsonaro, é nosso perseguidor, mas Bolsonaro é nosso defensor. “Governos anteriores tentaram atingir a Zona Franca, e agora temos nossas restrições ao Ministro da Economia, Paulo Guedes, que tenta atingir a ZFM. Mas o nosso presidente está vigilante a isso e não deixaria isso acontecer”, afirma o parlamentar.

Os deputados retiraram a responsabilidade do então ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello da falta de oxigênio nas unidades de saúde do estado que matou dezenas de amazonenses, mesmo o ministro de Bolsonaro tendo chegado ao Amazonas dias antes da tragédia e assumido para jornalistas que foi avisado da falta de oxigênio uma semana antes.

Sem citar quais foram as ações imediatas feitas pelo então ministro Pazuello para salvar a vida dos amazonenses, além de impor o tal “tratamento precoce” defendido por Bolsonaro e distribuir cloroquina a rodo pra tudo que é UBS, o deputado médico Dr Gomes (PSC), fazendo coro com Péricles, acha que se Pazuello não estivesse aqui “ia morrer muito mais gente”.

Um dos únicos a contestar o que diziam os colegas de Parlamento, o deputado Dermilson Chagas (Podemos) disse desconhecer alguma política do governo Bolsonaro que traga benefícios ao Amazonas. Ele lembrou que a equipe econômica do presidente vive atacando a Zona Franca de Manaus, por isso, ele disse que iria se abster de votar o projeto, em forma de protesto. “Porque se não fosse a bancada do Amazonas se virar, teríamos até perdido o polo de bicicletas”, criticou o deputado

Quem bateu de frente com os deputados que decidiram transformar Bolsonaro em cidadão do Amazonas foi o deputado economista Serafim Correa (PSB). “O presidente Bolsonaro não tem sido amigo da Amazônia, do Amazonas e de Manaus. Ele subestimou a pandemia que até esta segunda-feira levou 375 mil brasileiros a morte, ele não comprou vacinas quando era pra comprar, o seu ministro negligenciou o nosso Estado na crise de oxigênio, tudo isso tem trazido sofrimentos para o nosso povo. A Zona Franca vive sendo atacada e o seu ministro da Economia faz cara de paisagem, portanto não voto a favor deste projeto”, argumentou Serafim.