Deputados da base aliada do Governo assinam manifesto de apoio ao governador, mas alguns somem ou fazem de conta que a ligação caiu

Mesa Aleam 1

Enviado pelo líder do governo na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Davi Almeida, chegou ao Radar um documento intitulado “Manifesto de apoio: Pelo bem do povo amazonense” (ver documento no final da matéria). No manifesto, assinado por Davi Almeida, há logo embaixo da assinatura a expressão “Base Aliada”, fazendo entender que 18 dos 24 deputados do Poder Legislativo estadual estariam avalizando a mensagem em apoio ao governador José Melo, cassado pela Justiça eleitoral por abuso de poder econômico e político, conduta vedada agente público e compra de votos.

Mas, como no documento não vieram as assinaturas de cada um dos deputados da base aliada e como entre os aliados do governador na Assembleia está inclusive um membro do PMDB – aquele senta na cadeira de presidente no lugar de Josué Neto em todas as votações de projetos impopulares do Governo do Estado – , o deputado Belarmino Lins, o Belão, o Radar decidiu tentar confirmar, através de ligações telefônicas, se esses parlamentares confirmavam sua aprovação ao texto, nada ameno, do manifesto de apoio ao governador José Melo.

Mas, pelo jeito, os deputados da base governista decidiram assinar o documento e dar uma sumida estratégica. Com exceção do líder do Governo, Davi Almeida, que colocou sua assinatura no documento enviado ao Radar e do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Josué Neto, que chegou até mesmo a se manifestar publicamente através das redes sociais com fotos e mensagens em apoio ao governador, os demais deputados estavam com celulares desligados – e olha que passamos horas ligando – e, no caso do deputado Belarmino Lins, ele mal começou a ouvir a pergunta, fez de conta que a ligação caiu e não atendeu mais nenhum telefonema, mesmo com a tentativa de ligarmos de outros números de celulares.

Perseguição

No texto do manifesto, os parlamentares afirmam que as acusações contra o governador “claramente revelam a motivação de perseguição política de quem não tem respeito pela decisão do voto popular”.

Os deputados contestam a compra de votos, alvo de investigação da Polícia Federal durante as eleições de 2014, e que isso teria interferido no resultado da eleição ao dizerem: “a maioria da população o conduziu de forma clara ao Governo do Estado, com uma diferença elástica e incontestável em relação ao segundo colocado”.

E, mesmo dizendo que o que está havendo é perseguição política contra o governador, o que se confronta com a decisão da Justiça Eleitoral, eles dizem confiar nas “instituições democráticas (…) para que a vontade popular seja respeitada”.

E por último eles avaliam que o governador José Melo, “vem cumprindo com zelo e determinação a missão para a qual foi escolhido”. (Any Margareth)

Manifesto de apoio a Melo