Dermilson Chagas denuncia uso de cédulas de RGs em ações eleitoreiras realizadas por Wilson Lima

O deputado disse que essas ações sociais nos bairros de Manaus, em geral, contam com a presença do governador e de políticos

dermilson rgs

Foto: Aguilar Abecassis

O Radar Amazônico noticiou no início deste mês que o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), tem usado a máquina pública para promoções pessoais, principalmente com ações sociais por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) nos bairros da capital amazonense.

Enquanto isso, as unidades de Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC), principalmente a do bairro Educandos, na zona Sul de capital, estão abandonadas e são alvos de criminosos.

Diante da situação, o deputado estadual Dermilson Chagas (Podemos) afirmou que o governador, acompanhado de deputados estaduais e secretários da Sejusc, Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas) e representantes do Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS), está utilizando mutirões de ações sociais nos bairros da periferia de Manaus para disponibilizar a emissão de Registro Geral (RG) com objetivos eleitoreiros.

Ele denunciou que essas ações sociais nos bairros, em geral, contam com a presença do governador e de políticos e que, portanto, isso se configura em utilização da máquina pública em benefício próprio.

“O que mais nos deixa preocupados, e nós estamos percebendo isso através das redes sociais, são ações programadas por alguns deputados para tirar a carteira de identidade. Isso está errado porque a população está precisando desse serviço para poder receber benefícios, para ter um documento e para ter direito à dignidade. Então, estamos vendo que uma secretaria comandada por deputada faz politicagem. Isso está errado. Manaus e o interior todo precisa desse documento. As pessoas se direcionam ao PAC pensando que vão ser atendidas. Chegando lá, além de ter de enfrentar filas em um sol escaldante, ainda terão de disputar 20 ou 30 fichas. Isso é desumano, e o Governo do Amazonas não poderia fazer isso com a população”, comentou Demrilson Chagas.

Serviço não é disponibilizado no interior

Desde junho deste ano, o deputado Dermilson Chagas vem denunciando a falta de cédulas para a emissão de Registro Geral (RG) nas unidades dos Pronto Atendimento ao Cidadão (PACs) da capital. Desde então, o deputado passou a visitar diversos municípios e constatou que a falta do serviço é frequente no interior do Estado, obrigando os cidadãos a procurarem os PACs da capital.

Porém, as poucas unidades que ainda funcionam em Manaus também não oferecem o serviço e quando o fazem é de forma limitada, disponibilizando uma média de 20 a 50 senhas por dia, conforme denúncias que chegaram ao deputado Dermilson Chagas.

“Hoje, tudo está digital. E as pessoas precisam fazer Bolsa Família, Auxílio-Maternidade, Seguro-Defeso e outros benefícios. A exemplo do que acontece em Borba, para onde o Governo do Amazonas só envia um total de 50 carteiras de identidade a cada dois meses, isso dificulta a vida do cidadão que quer receber esses benefícios para ajudar a sustentar a sua família. E 50 cédulas de RG é muito pouco para a demanda que existe nas cidades do interior”, comentou Dermilson Chagas.

Interior abandonado pela gestão Wilson Lima

O deputado Dermilson Chagas criticou também a falta de planejamento do Governo do Amazonas na promoção das políticas públicas e que refletem diretamente no trabalho que é mal executado pelas secretarias, fundações e outros órgãos ligados ao Executivo estadual.

“Imagine como é que está a administração do Estado. Se eles não conseguem estimar o quantitativo da população que necessita desse documento é porque os trabalhos executados por essas secretarias, principalmente a Seas e a Sejusc, que não são órgãos que foram criados nesta gestão, pois existem há décadas e que, portanto, deveriam ter know-how, ter um banco de dados, trabalhar com indicadores sociais, enfim ter uma organização para o serviço público que é oferecido fosse realmente a contento, mas, infelizmente, essa não é a realidade”, lamentou o parlamentar.

(*) Com informações da Assessoria