Desembargador devolve pensão de R$ 26 mil para Melo “não ter prejuízo”

Tem certos momentos que a gente acredita que, no Amazonas, até boi voa – em Parintins eu já vi isso acontecer no Festival Folclórico! O inacreditável, dessa vez, acontece quando o desembargador Aristóteles Thury, do Tribunal de Justiça do Amazonas decide devolver para o governador cassado por compra de votos e acusado de fazer parte de uma organização criminosa que desviou milhões da saúde pública, uma pensão vitalícia de R$ 26 mil reais.

A pensão voltará para os bolsos do ex-governador José Melo porque o desembargador derrubou decisão do juiz Leoney Figliuolo Harraquian que tinha suspendido o pagamento da tal “pensão especial” que é paga a todos os ex-governadores do Estado. O juiz atendeu a uma Ação Civil Pública que lembrava que só tinha direito a pensão especial quem exerceu permanentemente o cargo de governador.

Mas o desembargador decidiu devolver a pensão para não causar “prejuízo ao agravante (José Melo)”. E como para bom entender meia palavra basta, isso nos faz entender que a população do Amazonas, que é quem paga a pensão do ex-governador José Melo, é quem vai continuar acumulando o prejuízo de ter que tirar do seu bolso a pensão vitalícia do governador cassado por desviar dinheiro que também era nosso, destinado para a saúde pública.

Dá até pra ficar “doente de raiva” depois de ter a notícia que sustentamos acusado de nos roubar.