Desembargador manda pra cadeia professor acusado de pedofilia que estava solto por ordem do juiz de Coari

Policiais da Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, município distante 363 quilômetros em linha reta de Manaus, tiveram que prender, pela segunda vez, um professor, de 52 anos, denunciado por pedofilia. O professor já havia sido preso, em flagrante, no dia 16 de janeiro desse ano, mas foi solto por decisão do juiz de Coari, Fábio Alfaia. O promotor de Justiça do município, Flávio Mota, interpôs recurso no TJ-AM contra a decisão do juiz e o desembargador Sabino da Silva marques, da 1ª Câmara do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), acatou o recurso e mandou o professor pra cadeia.  portando  sob o comando do delegado titular da unidade policial, Mauro Duarte, cumpriu na manhã desta quarta-feira, dia 1º, por volta das 11h20, na Rua Francisco Batista Neto, bairro Santa Helena, em Coari, mandado de prisão em nome de um professor de 52 anos denunciado por pedofilia.

De acordo com o delegado de Coari, Mauro Duarte, o mandado de prisão foi expedido ontem, dia 31 de janeiro, e foi cumprido por volta das 11h20, na Rua Francisco Batista Neto, bairro Santa Helena, em Coari “Chegamos até o infrator com o apoio de populares, que nos repassaram informações sobre a possível localização do professor. O homem estava na casa de um irmão dele quando nós o interceptamos”, informou o delegado.

Ele lembrou que o professor foi preso em flagrante no dia 16 de janeiro deste ano, por estar portando um pen drive contendo 45 vídeos e fotografias da enteada dele, uma adolescente de 15 anos, e da própria filha. Em um dos registros o professor encosta o pênis na boca da enteada no momento em que ela dormia. Ao descobrir o conteúdo pornográfico a mãe das vítimas procurou a polícia para denunciar o companheiro.

“No dia 19 de janeiro, o acusado foi submetido à Audiência de Custódia na Comarca de Coari, ocasião em que foi concedida ao infrator, pelo juiz Fábio Alfaia, liberdade provisória mediante aplicação de medidas cautelares. Ontem, dia 31 de janeiro, o promotor de Justiça Flávio Mota interpôs recurso ao TJ-AM contra a decisão que liberou o indivíduo, sob o argumento de risco evidente para a ordem pública, sobretudo pelo fato do infrator ser professor do Ensino Fundamental. O pedido foi deferido e, assim que o mandado de prisão foi expedido, nós saímos em busca do professor”, explicou o delegado.

Após os procedimentos cabíveis na delegacia de Coari, o professor será encaminhado à unidade prisional daquele município, onde irá permanecer à disposição da Justiça.

FOTO: Divulgação / Assessoria de Imprensa da PC-AM