Desembargador transforma prisão domiciliar de Alejandro em temporária

Foto: Divulgação/TJAM

O desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), José Hamilton Saraiva dos Santos, revogou nessa segunda-feira (7), a decisão que concedia a prisão domiciliar a Alejandro Molina Valeiko. Com isso, Alejandro teve a prisão temporária por 30 dias novamente decretada e deve ficar em cela separada dos demais detentos do sistema prisional para garantir sua integridade física. (Veja decisão no final da matéria)

No último sábado (5), a desembargadora do plantão criminal, Joana Meirelles concedeu prisão domiciliar a Alejandro. No pedido, a defesa alegou que ele estaria apresentando surtos psicóticos, paranoia, impulsividade e oscilações de humor. Assim como já foi dito anteriormente, os advogados voltam a destacar que ele é dependente químico.

Nessa segunda, Alejandro se apresentou na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na zona Leste de Manaus para prestar esclarecimentos sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues, de 42 anos. Ele estava acompanhado de seus dois advogados, Marco Aurélio Choy e Yuri Dantas.

Alejandro, que segundo os advogados, estava em uma clínica psiquiátrica fechada no Rio de Janeiro, com acompanhamento 24 horas, desembarcou no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes na manhã de segunda, por volta das 11h e seguiu para a delegacia especializada.

Confira decisão na íntegra