Desembargadora Joana Meirelles concede habeas Corpus e Alejando ficará em prisão domiciliar

Após os advogados de defesa de Alejandro Molina Valeiko, Marco Aurélio de Lima Choy e Yuri Dantas Barroso entrarem com pedido de Habeas corpus, a desembargadora do plantão criminal Joana Meirelles concedeu prisão domiciliar ao acusado.

A defesa alegou que, segundo laudos médicos anexados ao pedido de habeas corpus, Alejando estaria apresentando surtos psicóticos, paranoia, impulsividade e oscilações de humor. Assim como já foi dito anteriormente, os advogados voltam a destacar que ele é dependente químico.

De acordo com os advogados, o filho da primeira-dama de Manaus, está sob responsabilidade do médico Olavo de Campos Pinto Junior, em clínica psiquiátrica fechada, na cidade do Rio de Janeiro, com acompanhamento 24 horas.

Os advogados apresentaram ainda na defesa do pedido de habeas corpus que Alejando Molina já foi ouvido e que a casa já foi periciada.

O Radar ainda não teve acesso ao documento, mas fonte garante que as argumentações foram aceitas pela desembargadora, o habeas corpus foi deferido e a prisão domiciliar concedida.