Um dia de domingo proporcionado pela Amazonas Energia na Manaus da Copa

No sábado (14), como foi transmitido pelo nosso Radar, a Amazonas Energia “presenteou” o povo da zona Norte com horas de falta de energia e, consequentemente interferindo nos serviços, de internet, TV a cabo, e telefone fixo. Infelizmente, a previsão do Radar de que o domingo (15) seria igual ou pior do que o sábado se concretizou. O “fenômeno” começou às 22 horas de sábado quando a intensidade da energia fazia com que as lâmpadas da casa ficassem piscando ininterruptamente – umas inclusive queimaram – ou então com uma luz bem fraquinha. As quedas de energia obrigaram a desligar todos os aparelhos eletroeletrônicos, sob risco de que queimassem. Desta vez, a Amazonas Energia nos obriga até mesmo a tomar água quente porque a geladeira também tem que ser desligada. O fornecimento de energia elétrica veio a ser estabilizado neste domingo a tarde. E aos milhares de cidadãos da zona Norte da cidade – e quem sabe até das outras – só resta à resignação de continuar pagando caro para uma empresa tornar nossos finais de semana um inferno.

Impotência

O que nos deixa pior, é a humilhação de vermos que estamos impotentes diante dessa situação, já que não podemos contar nem mesmo com a interferência do Poder Público para fazer valer nossos direitos a ter acesso a serviços que a própria Constituição, Lei Maior desse País, denomina de essenciais aos cidadãos. O Governo do Estado confortavelmente fica surdo e mudo, numa atitude impassível, e parece tomar como verdade as entrevistas dos diretores da Amazonas Energia, que dizem não existir problemas de escassez, racionamento ou falta de energia pela cidade. A cara deles nem treme quando mentem diante de câmeras e microfones!

Cobrar com juros

E me peguei cantarolando pela casa, a música Apesar de Você, de Chico Buarque que, palavra de honra – pelas bandas de cá a gente ainda preza pela honra, viu? – não foi nada proposital, veio à mente como num repente: “Hoje você é quem manda, falou tá falado, não tem discussão, não! A minha gente hoje anda falando de lado, e olhando pro chão, viu. Você que inventou esse estado, inventou de inventar toda a escuridão…Quando chegar o momento esse meu sofrimento vou cobrar com juros, juro!

Eu e a urna

E a cobrança vai ser feita, porque a gente pretende cansar o dedo de tanto digitar, e repetir, e temos a certeza que o povo que nos segue vai ouvir (e ver) os sinais do Radar dizendo que está perto o dia da gente botar pra fora todos os sentimentos ruins que nos fazem sentir, ir à forra com quem nos humilha e torna nossos dias infelizes. Porque ano que vem, todo o poder é nosso. É um encontro solitariamente prazeroso entre nós e a urna, e a cara deles ali na nossa frente bem na tela daquela maquininha. E num simples apertar de dedo a gente deleta certos caras das nossas vidas. E quem sabe não aposta em gente que possa deixar nossos dias mais felizes!