Diante da denúncia de distribuição de rancho para beneficiar candidato de Wilson Lima, juíza eleitoral de Coari manda inspecionar barco do Governo

A denúncia, feita através de fotos e vídeos, de que um barco alugado pelo governo do Amazonas aportou no município de Coari, nessa quinta-feira (11), trazendo ranchos e cartões Auxílio Estadual para beneficiar o candidato do governador Wilson Lima, fez com que a juíza eleitoral de Coari, Mônica Raposo Tavares Cristina, agisse com prontidão expedindo um mandado de inspeção (ver documento no final da matéria) no navio Iana III, ancorado no porto da cidade.

A suspeita é que a embarcação, alugada pelo Governo do Amazonas por mais de meio milhão de reais, trazia cestas básicas e cartões do Auxílio Estadual Permanente para fazer a chamada captação ilegal de votos, ou seja, compra de votos para o grupo político aliado de Wilson Lima no município, que tem como candidato Robson Tiradentes Júnior, que é do mesmo partido de Lima, o PSC.

A determinação atende a um pedido feito pelos advogados da coligação Unidos por Coari (Progressistas, MDB e Republicanos) do candidato Keitton Pinheiro. Na representação, a coligação alega que recebeu denúncias de que o navio estava distribuindo itens de consumo para os correligionários de Robson Tiradentes e foi até o local para verificar a situação.

“Nos vídeos juntados, fica clarividente que estão tirando inúmeras caixas e embarcando em picapes que estão sendo usadas pela campanha do candidato Robson Tiradentes Junior”, diz trecho da representação.

De acordo com os denunciantes, a própria emissora que pertence à família do candidato Robson Tiradentes, a Rádio Tiradentes Coari, já havia anunciado que o barco Iana III estava carregado de ranchos e cartões do Auxílio Emergencial Permanente.

Levar ajuda humanitária, como cestas básicas e auxílio financeiro não é proibido, mas o que chamou atenção da coligação é o fato dessa suposta ‘ação social’ estar acontecendo em pleno período de campanha eleitoral e sem ligação nenhuma com a Prefeitura de Coari, que em tese, deveria intermediar a distribuição dos benefícios ao invés de aliados de Robson Tiradentes, que não possuem relação com a administração pública.

O Radar Amazônico teve acesso ao documento de aluguel da embarcação Iana III. O navio alugado coincidentemente no mesmo período eleitoral de Coari (novembro e dezembro) vai custar no total R$ 585 mil reais aos cofres públicos do Amazonas, confira:

Ainda de acordo com a representação, uma picape com o adesivo perfurado do candidato Robson Tiradentes Júnior estava sendo carregada com as caixas que saiam do barco Iana III. Conforme os denunciantes, após perceberem que estavam sendo observados, os responsáveis pela picape retiraram o adesivo.

Picape com adesivo do candidato Robson, estacionada bem em frente a embarcação denunciada. Foto: Reprodução

A mesma picape no momento em que deixa o porto de Coari, já carregada de itens e sem o adesivo de Robson. Foto: Reprodução

Diante das evidências que apontam para um possível esquema de compra de votos em Coari, a juíza eleitoral Mônica Raposo Tavares Cristina, mandou um oficial de justiça, acompanhado de uma autoridade policial para se deslocarem até o navio, afim de apurar a denúncia com o “intuito de constatar a origem e destinação dos produtos alimentícios constantes a bordo, juntando fotos, vídeos e documentos do que for encontrado.”

As inspeções podem acontecer a qualquer momento.

Bolsa voto

Vale lembrar que o Radar Amazônico já mostrou que Wilson Lima, pode estar usando o Auxílio Emergencial Permanente como moeda de troca por votos. O próprio governador, durante o evento de anúncio do benefício, deixou claro que esse programa vai durar “Enquanto ele for governador”, dando a entender que para continuar recebendo, os beneficiários precisam mantê-lo no poder.

Também é importante destacar, que o candidato aliado de Wilson Lima em Coari, Robson Tiradentes Júnior, vem mostrando pouca força política, o que já ficou evidente durante a convenção realizada pelo candidato, que reuniu poucos apoiadores, enquanto a convenção de Keitton, seu principal adversário, lotou um ginásio da cidade. 

Reconhecendo a iminente derrota, a coligação de Robson Tiradentes já entrou na justiça e pediu a impugnação da candidatura de Keitton.

Confira a determinação da Justiça Eleitoral e o pedido dos advogados da coligação de Keitton Pinheiro: