Diante da possibilidade de uma tragédia, Arthur vai tapar cratera da “Matriz Econômica” de Melo

A “espinha dorsal” do tal “Projeto de Matriz Econômica”, a BR-319, está com uma cratera, provocada por um desmoronamento, nas proximidades do Porto da Ceasa que, como diz o povão, não só dá pra engolir um carro como uma frota inteira. Só que o governador “professor” Zé Melo que, no início do ano, durante a abertura dos trabalhos legislativos na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) fez uma lambança danada dizendo que não precisa nem do Governo Federal pra asfaltar a rodovia e que vai ainda “envelopa-lá”, além de construir “passagem aérea pra macaco e buraco pra passar anta”, não apareceu por lá e nem mandado sua trupe resolver o problema. Quem apareceu por lá por o prefeito Artur Neto, acompanhado do vice-prefeito, Marcos Rotta que, mesmo não tendo responsabilidade legal sobre a área, decidiram tomar uma providência diante do risco de uma tragédia.

A Prefeitura de Manaus vai atuar na recuperação emergencial do trecho da BR-319 onde houve um desmoronamento. Artur Neto teria tomado a decisão após conversa com Marcos Rotta, que alertou quanto à gravidade do problema. Eles estiveram na BR-319 nessa terça-feira, 25/4.

“Há uma sobreposição de rodovias, federal e estadual, que causou certa dúvida sobre de quem seria a obrigação do reparo. Enquanto o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) não se entende com o Governo do Estado, nós iremos iniciar uma operação de emergência para soluciona o problema”, determinou o prefeito. A divergência quanto à responsabilidade da recuperação do trecho comprometido se dá pela sobreposição da BR-319 com AM-174.

Arthur disse, ainda, que caberá ao vice-prefeito Marcos Rotta o diálogo com a esfera estadual, a fim de firmar uma parceria para uma ação mais completa no local. “O senso de responsabilidade que tenho e que sempre terei com a cidade de Manaus é de não permitir que nenhuma tragédia aconteça aqui. Esperamos a mesma posição do governo do estado”, afirmou.

Rotta disse que recebeu um despacho do Dnit, informando que não é responsável pela obra. Da mesma maneira que também foi informado de que a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) não pretende atuar no local de maneira emergencial. “Vamos buscar o diálogo para garantir um trabalho definitivo no local. De qualquer maneira a prefeitura assumiu o ônus, mesmo diante de tantos outros problemas causados pelas chuvas na capital”, destacou o vice-prefeito Marcos Rotta.

De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), o trabalho no local será de contenção da erosão e de recomposição da parte prejudicada da via. “Entraremos de imediato para fazer a contenção do talude, refazendo a rede de drenagem que também prejudica no processo de erosão. Também vamos recuperar o asfalto e a calçada da parte da via que foi comprometida”, explicou Antônio Peixoto, que é subsecretário de Serviços Básicos da Seminf. A previsão é de que o trabalho emergencial seja concluído em 30 a 45 dias.

Fonte: Secretaria de Comunicação da Prefeitura

Fotos: Alex Pazuello / Semcom e Alexandre Fonseca / Seminf