Diante de derrota iminente, deputados governistas debandam do plenário (ver vídeo)

Quem estava acostumado a ver a Lei Orçamentária ser enviada pelo Executivo estadual para a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e ser aprovada exatamente como os Governos sempre queriam, ficou boquiaberto ao ver o que aconteceu nessa quarta-feira (20). Diante de duas derrotas em votações de emendas, ambas com voto de desempate do presidente da Casa, David Almeida, 12 deputados governistas se retiraram do plenário visivelmente para impedir a votação do Orçamento e evitar novas derrotas.

Desde o início das votações do dia já se notava que a situação ia se complicar pro lado do Governo que não tem em sua bancada a maioria dos parlamentares da Casa. A derrocada governista começou com a votação de emendas de autoria da deputada Alessandra Campelo (PMDB) que tinham sido rechaçadas pelas comissões. As emendas tratam das promoções de PMs, escalonamento do reajuste salariais de policiais civis e o auxílio fardamento da polícia.

O presidente da Casa, David Almeida, passou para o plenário, por solicitação da deputada, a decisão de manter as emendas em discussão no Orçamento ou arquivá-las de vez. E lá veio o primeiro empate e, consequentemente, a primeira decisão na base do voto de minerva do presidente da Casa em favor da manutenção das emendas da deputada Alessandra Campelo ao projeto de Lei Orçamentária, o que enfureceu os governistas.

Mais uma derrota

Logo depois foram postas em votação oito emendas do denominado Orçamento Impositivo – ações determinadas pelos deputados com obrigatoriedade de cumprimento por parte do Governo do Estado. As emendas de diversos deputados destinavam recursos para garantia de direitos trabalhistas dos servidores da segurança pública. Os governistas tentaram novamente a rejeição das emendas e tiveram nova derrota com o desempate feito pelo presidente da Casa.

Vendo crescer cada vez mais a possibilidade de uma derrota maior, desta vez, na votação do projeto orçamentário propriamente dito, os governistas se retiraram do plenário e impediram a votação já que, com a saída deles, não houve mais quórum para continuar a sessão. (Any Margareth)

Foto: Erik Oliveira