Diante de um estoque de 100 mil vacinas, Serafim questiona prefeitura sobre paralisação da vacinação

Foto: Assessoria

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) trouxe ao conhecimento público, durante a sessão plenária desta quarta-feira (24) da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), uma informação que causou uma estranheza generalizada. Serafim contou que existe um estoque de 100 mil vacinas mas, mesmo assim, a Prefeitura de Manaus parou a vacinaçao.

Serafim quer que a prefeitura de Manaus defina o quanto antes o próximo grupo que será vacinado contra a Covid-19 na capital, para continuar com o programa de imunização.

O parlamentar chegou a exibir um gráfico com a evolução da vacinação contra a Covid-19 no Amazonas, que mostra oscilação do início da vacinação, no dia 19 de janeiro, com os profissionais da saúde, até 19 de março e com o grupo de pessoas com 60 anos.

“A Prefeitura de Manaus tem uma ótima estrutura de vacinação, mas está demorando muito a definir o próximo grupo. Se vai vacinar pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades ou vai continuar seguindo a vacinação de pessoas com 59, 58, 57 anos. Apelo ao prefeito David Almeida no sentido que ele dê uma sacudida no setor da vacinação. Poderíamos já estar vacinando as pessoas de 18 a 59 anos com comorbidades. Temos um estoque de 100 mil vacinas que têm que estar no braço e não na geladeira. Se a nossa vacinação continuar assim, com vacinas na geladeira, principalmente com os que têm comorbidades, vai ser muito complicado”.

Comentando as declarações de Serafim, o deputado Abdala Fraxe afirmou que está havendo falta de sintonia entre a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e a Fundação de Vigilância e Saúde do Amazonas (FVS-AM) no programa de vacinação.

“Meu apoio e admiração a equipe que está na ponta da vacinação. Quando eu disse que está na hora de dar um sacolejo na cúpula da Semsa, foi no sentido do gráfico que mostrei. Fica evidente que o pessoal da Semsa está sendo contido pela falta de sintonia entre Semsa e FVS. O mais importante é vacinar. Vamos acelerar para continuar sendo os primeiros na vacinação do país, mas para isso é necessário que as vacinas que estão em Manaus sejam disponibilizadas”, disse.

O líder do PSB na Casa Legislativa prestou solidariedade às famílias das 3.241 vítimas da Covid-19 que morreram nesta terça-feira (23), em todo o país e reafirmou a urgência da vacinação em massa para conter o avanço do vírus.

“O Brasil, ontem, teve mais de 3 mil mortes por Covid. Isso é uma tragédia. A solução é a vacinação. Exatamente por no passado o governo brasileiro ter subestimado a capacidade da vacinação e não ter dado bola para os contratos que deveria ter firmado com a Pfizer, Oxford, Coronavac, temos falta de vacinas. Manaus vive uma situação ao contrário. Tem vacinas na geladeira e não é definido o que fazer”, concluiu.