Diante do corte de recursos, pode não haver Festival Folclórico do Amazonas

Junina capa

A possibilidade de não vir a ter Festival Folclórico do Amazonas por causa do corte de qualquer recurso do Governo do Estado destinado aos eventos culturais foi aventada ontem durante a Sessão Especial em homenagem ao Dia Estadual do Quadrilheiro Junino (Lei 3.883), realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) na manhã desta terça-feira, dia 7, proposta pelo deputado Adjuto Afonso (PDT).

Junina 3O presidente da Liga das Quadrilhas Juninas do Estado do Amazonas (Liquajuam), Carlos Augusto de Castro (Kaká), falou da diversidade do folclore amazonense, que agrega vários estilos de dança, e indagou sobre a possível não realização do tradicional Festival Folclórico do Amazonas. “O Amazonas tem um folclore diversificado, comedor de jaraqui dança desde o xote até danças internacionais, além do boi-bumbá, isso precisa ser mais valorizado. Esse ano o Estado completa 60 anos de Festival, será que serão comemorados?”.

Junina 2O deputado Adjuto Afonso, que também foi autor do projeto que instituiu a Lei com o Dia do Quadrilheiro Junino, destacou a importância do movimento para a sociedade. “É um trabalho fundamental que esses quadrilheiros fazem por essa juventude, por esses adolescentes, que poderiam enveredar por caminhos errados, mas estão ensaiando para levar alegria à população. Fico feliz em poder comemorar essa data com eles e participar desse grande movimento. Mais do que merecida essa homenagem da Casa Legislativa, fui o autor da propositura, mas que contou com o aval de todos os deputados”, destacou o deputado Adjuto Afonso.

Representantes do movimento junino elogiaram a iniciativa parlamentar e destacaram o pioneirismo do Estado na elaboração da Lei que instituiu a data. “A Confebraq (Confederação Brasileira de Entidades de Quadrilhas Juninas) se sente muito orgulhosa, pois apenas mais dois Estados conquistaram essa vitória de se ter o dia estadual do quadrilheiro junino para comemorar, é um grande avanço para o movimento. O Amazonas foi pioneiro e abriu o caminho para outros Estados, e vários outros estão trabalhando para ter também oficialmente esse privilégio”, disse Aldenor Saraiva, representante da Confebraq.

Além dos representantes de entidades nacionais e estaduais do movimento, como Raimundo Nonato Bentes dos Santos, presidente da Associação dos Grupos Folclóricos do Amazonas (Agefam), e Adriana Afonso, Rainha Junina do Estado do Amazonas, da Quadrilha Marupiaras do Amazonas, também participou da Sessão a diretora de eventos da Secretaria de Estado da Cultura (SEC), Natália Mene, representando o titular da pasta, Robério Braga.

As entidades receberam certificado de reconhecimento pelo trabalho social realizado junto à sociedade, assim como representantes dos grupos folclóricos presentes.

Quadrilhas Juninas presentes: Juventude na Roça; Gaviões da Roça; Império do Ismail; Diva na Roça; Brotinhos do Parque; Cômica Pedro e Pedrita; Marupiaras do Amazonas; Fuzileiros na Roça; Festança na Roça; Afobadinhos na Roça; Explosão Junina na Roça; Império na Folia; Luz dos Olhos Teus; Folia na Roça; e a Ciranda da Visconde, do bairro Praça 14.