Ditadura obriga principal jornalista da Nicarágua a deixar país

Reprodução

O jornalista nicaraguense Carlos Fernando Chamorro, diretor do jornal El Confidencial e apresentador do programa Esta Semana, anunciou nesse domingo (20) que se exilou na Costa Rica após receber ameaças das forças de repressão do ditador Daniel Ortega.

Chamorro, que era sandinista e apoiador de Ortega no passado e é filho da ex-presidente Violeta Chamorro, disse, enquanto se despedia da Nicarágua no programa Esta Semana que “estão criminalizando o jornalismo”.

Por ora, ele seguirá à frente dos meios que dirige, porém desde a Costa Rica, para onde viajou com a mulher, Desiré Elizondo, também editora de revistas do mesmo grupo. Disse que provavelmente deve haver cortes no tamanho das publicações e no orçamento dos programas de TV, mas que “a resistência continuará”.

Há mais de um mês, estão presos sem acusação os jornalistas Miguel Mora e Lucía Pineda Ubau, que dirigem o canal 100% Notícias, tirado do ar por fazer críticas a Ortega.

Além dessas prisões, estão sendo confiscados papel e recursos de outros jornais do país, como o El Nuevo Diario, La Prensa e Metro.

Há cerca de dois meses, as instalações do El Confidencial foram saqueadas pela polícia, que levaram computadores, papéis e objetos pessoais dos jornalistas.

Chamorro parece estar revivendo um triste trajeto pelo qual passou também seu pai, Pedro Joaquín Chamorro, um jornalista perseguido pela ditadura dos Somoza. Pedro Joaquín teve, porém, um destino mais trágico: foi assassinado em 1978.

A escalada de autoritarismo do regime orteguista começou em abril, com levantamentos e atos nas ruas contra o corte de pensões que foram reprimidos de forma violenta. A estimativa de mortos é de mais de 300, enquanto 500 estão presos, segundo estimativa Centro Nicaraguense de Direitos Humanos.

Com informações da Folhapress.