Documentário sobre a Constituinte de 1988 estreia neste sábado (4) e serve de alerta para preservação da constituição

Foto: reprodução

Será neste sábado (5), às 22h, a estreia do documentário 88 – Fonte do amanhã, que reúne depoimentos de advogados, entre os quais a presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez, e o ex-senador Bernardo Cabral, relator-geral da Assembleia Nacional Constituinte de 1988, sobre a construção da nova Constituição Federal após mais de duas décadas de ditadura militar.

O filme será exibido no PrimeBoxBrazil (656 da Net) e no canal da OAB/RJ no YouTube. O diretor, Alexandre Pena, trabalhou durante três anos no filme, que recebeu o apoio do IAB, da OAB Nacional e da Seccional. “A advocacia esteve naquela época à frente da luta pelo restabelecimento do estado democrático de direito”, afirmou Rita Cortez. Segundo ela, “o documentário produzido com muito esmero serve neste exato momento como um alerta para que a história não se repita”.

De acordo com a advogada, a elaboração da nova Constituição fortaleceu a retomada da democracia. “A convocação e a realização da Assembleia Nacional Constituinte foram frutos da aspiração do movimento popular formado em razão da insurgência contra o regime militar, simbolizando a transição da ditadura para a democracia”, disse. A presidente nacional do IAB destacou também o reconhecimento internacional a respeito da importância da Carta Magna: “A Constituição de 1988 é uma das mais progressistas e avançadas do mundo, e estampou a derrota do autoritarismo que cassou as liberdades democráticas do povo, oxigênio essencial para o exercício da cidadania”.

A advogada comentou o momento político atual: “O Brasil está passando por uma crise institucional sem precedentes, principalmente por conta do desgoverno e das politicas anacrônicas desencadeadas por quem deveria ser o chefe da nação, que estão levando milhares de brasileiros à morte, senão pela doença, pelo desemprego e pela fome”. Segundo Rita Cortez, “o presidente da República, considerado um agente do caos, tenta sistematicamente repetir a receita que levou ao rompimento da ordem democrática em 1964”.

Videomaker da OAB/RJ há oito anos, Alexandre Pena também colheu depoimentos dos advogados Carlos Roberto Siqueira Castro, assessor da presidência da Constituinte; Nelson Jobim, Miro Teixeira e Aldo Arantes, deputados constituintes; Felipe Santa Cruz e Luciano Bandeira, presidentes da OAB Nacional e da Seccional do Rio, respectivamente, entre outros. Segundo o diretor, a ideia de realizar o filme surgiu da sua convivência com advogados e dos comentários que eles faziam sobre a importância da Carta Magna de 1988 para a democracia brasileira.

“Um dado interessante que trazemos é o de que os constituintes eram, em sua maioria, advogados; e isso teve um impacto sobre a Constituição”, ressaltou Alexandre Pena. Ele era um adolescente quando assistiu pela TV, no dia 5 de outubro de 1988, às cenas da promulgação da nova Constituição Federal. “Eu não entendia direito o que estava acontecendo, mas sabia que era algo muito grande”, contou. A respeito da gravação dos depoimentos, o diretor falou que “os advogados foram muito generosos” e as entrevistas programadas para 20 minutos transformavam-se em conversas de mais de uma hora, porque os depoentes se empolgavam “ao falar sobre um momento bonito do País”.

O projeto contou com uma equipe formada pela produtora Tania Maia, o fotógrafo Maney Burt e o editor Marcílio Gonçalves, com quem o diretor transformou em longa metragem as 20 horas de gravação. Após o lançamento, o filme ficará disponível no canal da OAB/RJ no YouTube.

(*) Com informações da assessoria