DPE pede liberdade provisória de tenente preso por matar sargento e major

Um dia após ser preso acusado de assassinar dois colegas de farda a tiros em Manaus na madrugada do último sábado (5), a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) pediu a liberdade do tenente da Polícia Militar Joselito Pessoa Anselmo. Segundo o órgão, o pedido de habeas corpus foi feito pelo defensor Maurilio Maia e deve  ser analisado a partir desta segunda-feira (7).

Ao Radar, a DPE informou que o pedido inclui o afastamento do tenente das funções policiais, a suspensão do porte de armas e uma série de medidas cautelares.

O  órgão também destacou a nossa equipe que vai assistir o caso do tenente, uma vez que ele possui critérios para a assistência judiciária gratuita como não ter advogado e está na faixa renda indicada.

Em paralelo, a Defensoria Pública informou, ainda, que está oferecendo atendimento jurídico, psicológico e social às famílias dos dois policiais mortos, o sargento Edizandro Louzada e o cabo Grasiano Monteiro.

Entenda o caso

De acordo com a polícia, o tenente, as duas vítimas fatais e os dois feridos estavam numa uma viatura descaracterizada da PM, retornando de uma festa, por volta das 2h do sábado. O automóvel estava sendo conduzido pelo cabo Grasiano e todos seriam levados para casa quando o tenente começou a atirar.

Além de matar os dois colegas de trabalho, um major e um borracheiro, que também estavam no carro, foram baleadas, mas sobreviveram. Joselito foi preso em flagrante e teve a prisão preventiva decretada ainda no sábado.