DPE sai em defesa de Wilson Lima e diz que pedido de indenização às famílias de presos foi de Melo

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE) saiu em defesa da coligação “Transformação por um novo Amazonas”, encabeçada por Wilson Lima (PSC), e informou, nesse sábado (20), que a decisão de indenizar as famílias dos presos mortos durante a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em 1º de janeiro de 2017, partiu do então governador José Melo, cassado por compra de votos nas eleições de 2014.

A informação consta em uma nota oficial divulgada pela DPE e assinada pelo defensor público geral Rafael Vinheiro Monteiro Barbosa e pelo presidente do Colégio Nacional dos Defensores Públicos Gerais (CONDEGE), Marcus Edson de Lima. (Veja nota na íntegra no fim da matéria)

No documento, a DPE diz que um dia após o massacre, José Melo anunciou o pagamento e chamou a instituição para coordenar o cadastramento das famílias dos presos junto com a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

“É necessário e urgente esclarecer que, nem a Defensoria Pública e nem o defensor público Carlos Almeida Filho, pediram ou ingressaram com ações judiciais pleiteando indenização para famílias dos presos mortos”, diz um trecho da nota. O defensor Carlos Almeida Filho é candidato a vice-governador na chapa de Wilson Lima.

Segundo a DPE, “o que se vê é a tentativa de macular a imagem da instituição”. Ainda na nota, a Defensoria lamentou “que o processo político venha difundir informações equivocadas sobre a função da Defensoria Pública”.

Leia a nota na íntegra.