Economistas sabatinam Braga sobre propostas na área econômica

O que era para ser um debate entre os dois candidatos que estão disputando o segundo turno da eleição suplementar para o governo do Amazonas, transformou-se em uma sabatina para o candidato Eduardo Braga (PMDB), sobre propostas na área econômica. O debate faz parte das programações da Semana do Economista. Apesar de ter sido convidado, o candidato Amazonino Mendes (PDT) não compareceu ao auditório da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), para o evento realizado pelo Conselho Regional de Economia (Corecon-AM), na tarde desta quinta-feira (10).

A coligação “Movimento pela Reconstrução do Amazonas” informou que Mendes não pode comparecer ao debate por questões de agenda de campanha.

Para o vice-presidente do Corecon, Stony Bindá, todas as propostas apresentadas pelo candidato serão registradas por meio de uma carta-compromisso e serão cobradas caso vença esta eleição e assuma o Governo do Amazonas. “Lamento que o outro candidato não tenha comparecido. Porque esse debate é especializado e com conteúdo para fomentar ações para o futuro desenvolvimento deste Estado”.

Ao ser questionado pelo economista José Laredo sobre as suas propostas para alavancar o modelo industrial de Manaus, que na opinião do profissional está definhando, com quase 10% de decréscimo com relação aos novos investimentos, Braga disse que ao assumir o Governo irá encaminhar Mensagem Governamental à Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) para fazer a revisão dos benefícios concedidos às empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM). “O Polo de Duas Rodas está pedindo socorro e iremos desonerar nessa área, como ainda agregar ao modelo produtos da biodiversidade e da área de software”, frisou.

Francisco Mourão Júnior, conselheiro da entidade, acrescentou ao assunto perguntando sobre as alternativas previstas pelo candidato para o desenvolvimento do Estado, além da Zona Franca de Manaus (ZFM), bem como pretende resolver os gargalos logísticos da região. “Queremos utilizar todo o potencial mineral da região, como da silvinita, que deve sair do papel; alavancar o manejo florestal e a agricultura familiar, como já fiz quando estive no Governo deste Estado, utilizando essa produção na merenda escolar, por exemplo”.

Já na questão logística, ele pretende desonerar o ICMS sobre internet para gerar competividade; e cobrar do Governo Federal compromisso, via Medida Provisória, com a finalização da BR-319 (Manaus-Porto Velho).

O economista do Ano de 2017, economista e presidente do Sindicato dos Economistas do Amazonas, Marcus Evangelista, questionou de que forma Braga irá reduzir o ICMS da cesta básica e do gás de cozinha, dos atuais 14% para 1%, conforme prevê em seu “Plano de Emergência para tirar o Amazonas da UTI”, já que uma das justificativas da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) para os constantes reajustes seria falta de pessoal para fazer o controle fiscal. Como resposta, o candidato disse que essa redução é viável, uma vez que hoje quase 85% do sistema está no controle da nota fiscal eletrônica e quase cem por cento no sistema de entrada de mercadorias.

Estudante do 2o período da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Jade Rodrigues, 18, questionou sobre a situação da instituição, caso seja o novo governador. “Irei fortalecer essa Universidade, para que continue gerando conhecimento. E vou fazer um plebiscito para saber se a comunidade acadêmica quer ou não a Cidade Universitária. Caso não queiram, vai se tornar extensão universitária”.

Ao finalizar o encontro, o economista Martinho Azevedo destacou que o futuro Governo deve ter compromisso com um novo modelo de governança para o Amazonas, frisando que o Corecon está contribuindo com esses debates, estimulando propostas de alternativas para a região.

A sabatina girou em torno dos seguintes eixos: políticas de incentivos fiscais, arrecadação, desenvolvimento do interior, geração de empregos e perguntas gerais dos profissionais e estudantes sobre a área econômica. Estiveram presentes consultores econômicos, professores, estudantes e profissionais das mas variadas áreas da economia.