Eleições CMM: PSB racha, Marcelo Serafim lança candidatura à presidência, mas Elias vota em Barreto e é o novo líder do prefeito

marcelo - eliasPor Any Margareth  

O conflito foi inevitável. Logo depois das eleições de outubro, o líder do PSB na Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador Marcelo Serafim, filho do ex-prefeito e liderança maior da sigla no Estado, Serafim Corrêa, declarou seu apoio e passou a ser um dos articuladores da campanha do vereador Ednailson Rozenha (PSDB) para a presidência da Casa. Só que, nesta segunda-feira (15), o prefeito Artur Neto (PSDB) apontou como seu candidato à presidência da Câmara, o líder de sua bancada, vereador Wilker Barreto (PHS) e convidou o vereador Elias Emanuel, do PSB, para ocupar o cargo de líder do seu Governo, no lugar de Barreto.

Mas, mesmo diante dessa decisão do prefeito, e do fato do vereador tucano Ednailson Rozenha demonstrar a clara intenção de retirar sua candidatura – não só retirou candidatura como votou em Wilker Barreto  -, nem assim o vereador Marcelo Serafim retrocedeu em sua decisão de não apoiar o candidato de Artur Neto. Num discurso duro, feito da tribuna da Casa antes da votação para os cargos da Mesa Diretora, nesta quarta-feira (17), Marcelo Serafim disse que mantinha sua posição contrária a indicação do prefeito. “Não conte com o meu voto”, anunciou ele, olhando diretamente para Barreto, afirmando ainda que a maioria dos vereadores estava votando por causa de uma tal de pressão feita pelo prefeito.

Numa atitude clara de revanche, Marcelo Serafim lançou sua própria candidatura à presidência da Casa, parecendo estar querendo deixar seu companheiro de PSB Elias Emanuel numa encruzilhada, sendo obrigado a votar no candidato do partido . E ainda desferiu, de forma um tanto ofensiva, a seguinte declaração quando votou em si mesmo: “Seguindo a orientação do meu partido e como homem que sou”. Na contramão dessa posição, Elias Emanuel votou em Wilker Barreto e já tinha declarado ao Radar que tinha aceitado o convite para ser líder de Artur na CMM.

Incoerência? Eu?

Num tom, entre a indignação e a mágoa, Elias Emanuel declarou ao Radar: “Eu sou do PSB e até que nenhuma decisão oficial exista me retirando do PSB, eu continuo no PSB. Você me conhece, desde quando eu entrei nessa Casa, eu sempre defendi o PSB. O PSB só me apresentou uma resolução hoje. Sou da Executiva do partido, não fui convocado para discutir absolutamente nada. Ontem, o PSB votou favorável a criação de taxas, votou favorável as contas do prefeito Artur Neto, votou favorável ao PCCS da Semef, o PSB não rompeu com o Governo, não saiu da administração, não devolveu cargos. E, eu que sou incoerente?”

Em resposta ao questionamento do Radar que andou captando informações de que, numa possível saída do PSB, haveria a possibilidade de fazer parte do PL, novo partido que está sendo articulado pelo senador eleito Omar Aziz (PSD), Elias Emanuel responde: “Nem passou qualquer coisa nesse sentido pela minha cabeça. Não tive conversa com nenhum partido. Eu sou membro do PSB. Sou do 40. Até que prove o contrário. Vou aguardar que a direção do PSB tome a medida que achar melhor.  Sempre fui fiel ao PSB. Sempre fui coerente com as posições do meu partido. Se houver questionamentos sobre o que aconteceu hoje, eu terei o amplo direito a defesa”.