Em busca do apoio de Braga, Amazonino nomeia Gedeão Amorim para Seduc

Um dos principais aliados do senador Eduardo Braga (MDB), Gedeão Amorim (MDB), foi nomeado pelo governador e candidato à reeleição Amazonino Mendes (PDT) para comandar a Secretaria de Estado da Educação (Seduc). Ele substituirá o “braço direito” de Amazonino Mendes no Governo, Lourenço Braga. (Veja os decretos de exoneração e nomeação no fim da matéria)

Às vésperas do segundo turno das eleições e correndo atras de voto para ultrapassar o jornalista Wilson Lima (PSC), que venceu no primeiro turno, o governador ‘desabriga’ aliados e dá cargos estratégicos nas principais Secretarias de Estado (Educação e Segurança Pública) à aliados do candidato derrotado no primeiro turno, Omar Aziz, e de seu adversário nas eleições suplementares, reeleito senador, Eduardo Braga, em busca de apoio à reeleição..

A primeira mudança, no dia seguinte ao resultado do primeiro turno, foi na Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). Amazonino exonerou o então secretário, coronel Anézio Paiva, e o rebaixou para o segundo escalão da pasta, para nomear o aliado de primeira ordem do senador Omar Aziz (PSD) e ex-coordenador do Programa Ronda no Bairro, coronel Amadeu Soares.

Com a nomeação, Amazonino solucionou três problemas: colocou um coronel admirado pelas tropas da Polícia Militar para comandar a Segurança Pública, silenciou o secretário extraordinário coronel PM Walter Cruz – responsável pelo Programa GuardiAM 24 horas – após inúmeras críticas e afagou Omar Aziz.

No mesmo dia, o governador nomeou o delegado federal Wesley Aguiar – marido da presidente da Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social (AADES), Ana Paula Aguiar – para a Controladoria Geral do Estado (CGE). A Controladoria estava sob responsabilidade de Arthur Lins.

Três dias depois, na última quarta-feira (10), Amazonino oficializou a nomeação de Gedeão Amorim. No entanto, as articulações em torno do nome do ex-secretário começaram ainda na sexta-feira (5), às vésperas do primeiro turno das eleições, já mirando um apoio do MDB para o segundo turno.

Ele assumirá a Seduc em meio às inúmeras denúncias de falta de merenda escolar nas escolas da rede estadual de Ensino em todo Amazonas, contratos e pagamentos a empresas que tem como proprietários aliados ao Governo, investigações dos Ministérios Públicos do Estado (MPE) e Federal (MPF), além de denúncias de irregularidades no concurso público e o uso eleitoral do pagamento do abono do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) às vésperas do segundo turno.

Gedeão Amorim foi titular da Seduc de 2005 a 2012 e era candidato à reeleição para a Câmara Federal, mas perdeu.

Coincidentemente, ele é o terceiro derrotado no pleito deste ano a receber abrigo no Governo Amazonino. Amadeu Soares e Wesley Aguiar eram candidatos à Assembleia Legislativa do Estado (ALE), mas também não conseguiram votos suficientes para se eleger.

Veja os decretos de exoneração e nomeação na Seduc.