Em cinco meses, Prefeitura de Manaus já repassou mais de R$ 132 milhões para os empresários de ônibus

Esse montante representa R$ 34 milhões a mais do que no mesmo período do ano passado

A Prefeitura de Manaus, somente de janeiro a maio deste ano, já repassou mais de R$ 132 milhões para os empresários do sistema do transporte coletivo da capital amazonense, por meio do Fundo Municipal de Mobilidade Urbana (FMMU) – veja no final da matéria planilha de pagamentos. Conforme levantamento feito pelo Radar Amazônico, o valor total do repasse foi de R$ 132.276.215, 20 (cento e trinta e dois milhões e duzentos e setenta e seis mil e duzentos e quinze reais e vinte centavos).

Em comparação com o mesmo período do ano passado, ou seja, de janeiro a maio de 2021, primeiro ano de gestão de David Almeida (Avante), esse montante de repasses aos empresários aumentou em mais de R$ 34 milhões. O Radar mostrou no passado, fazendo comparativo do subsídio repassado ao setor de transporte coletivo pelo prefeito anterior, que David Almeida repassou aos empresários de ônibus R$ 280 milhões, quase o dobro do seu antecessor que repassou R$ 147 milhões.

Esses repasses cada vez maiores feitos pela administração de David Almeida vai à contramão do seu discurso, desde o período de campanha eleitoral em 2020, quando ele e o então vice-prefeito Marcos Rotta, fizeram duras críticas ao prefeito Arthur Neto, que fez repasses mensais em torno de R$ 13 milhões para as empresas de transporte coletiva como forma de manter o preço da passagem – não há reajuste de tarifa há cinco anos – e para garantir melhorias no sistema de transporte público.

O vice-prefeito chegou a dizer que a prefeitura de Arthur Neto “tinha virado uma ama de leite dos empresários do transporte coletivo”. David Almeida chegou a anunciar que daria até para reduzir o preço da passagem de ônibus com o subsídio que vinha sendo repassado pela administração de seu antecessor. Mas isso ficou só na promessa do seu governo, ou seja, de janeiro a maio de 2021, o prefeito de Manaus, David Almeida repassou, contudo, apesar do alto valor do repasse, a população amazonense não viu nenhuma melhoria no sistema do transporte coletivo. Os problemas vão desde a emissão da carteirinha do benefício Passa Fácil, principalmente nas filas quilométricas enfrentadas pela população manauara na sede do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), na avenida Constantino Nery, até as péssimas condições dos ônibus que atendem a população manauara em todas as zonas da cidade.

Bom lembrar que o subsídio ao transporte coletivo surgiu com a criação do Fundo Municipal de Mobilidade Urbana instituído através da Lei n.º 2.552, de 17 de dezembro de 2019, visando “promover os suportes técnicos e financeiro necessários às políticas de melhoria da mobilidade urbana”. Além de melhorias no sistema, o subsídio às empresas de transporte coletivo, foi implantado para manter o preço da passagem em R$ 3,80, o que vem acontecendo nos últimos anos.

Ônibus elétricos

Como se não bastasse o alto valor no repasse dos subsídios às empresas do transporte coletivo de Manaus, na última terça-feira (24), o prefeito David Almeida anunciou, nesta semana, a assinatura de um convênio com o governador Wilson Lima (União Brasil), por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), com o Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) no valor global de R$ 36,4 milhões, divididos entre prefeitura de Manaus e Governo do Amazonas, para comprar 12 ônibus elétricos.

Chama a atenção que – apesar dos valores saírem do bolso dos contribuintes, tendo em vista que sairão dos cofres do Governo do Estado e da Prefeitura de Manaus – os ônibus serão entregues às empresas do sistema de transporte coletivo da capital amazonense.

Na ocasião, o Radar esteve no local e tentou ouvir o prefeito de Manaus para questionar essa “doação” com dinheiro público para os empresários de ônibus, mas o prefeito “correu” após fazer discurso, sem responder aos questionamentos da imprensa.

Repasse de janeiro a maio de 2022