Em Coari, enquanto o prefeito compra propriedades, secretarias são despejadas de seus prédios por falta de pagamento

Prédio onde funcionava a Secretaria de Esporte e Lazer

Prédio onde funcionava a Secretaria de Esporte e Lazer

Numa cidade em que jovens estão sendo apreendidos quase todos os dias por envolvimento com o tráfico de drogas, em que um menino de 16 anos é morto a tiros, dormindo em sua cama dentro de casa, após ser acusado de matar outro menor, a Secretaria de Esporte e Lazer (SEMEL), que poderia estar retirando esses mesmos garotos do mundo do crime foi despejada do prédio onde funcionava porque a Prefeitura de Coari – ler “padre” prefeito Igson Monteiro – estava há meses sem pagar o aluguel do imóvel, e nem a luz e a água.

Imóvel desapropriado coari 7 com detalhe

Ginásio Geraldo Granjeiro, com vestiário em detalhe, onde foi parar a SEMEL

A secretaria de Esporte e lazer foi parar num vestiário do ginásio municipal professor Gerado Granjeiro – usei a expressão “foi parar” porque não dava pra dizer que a pasta do esporte está funcionando num vestiário onde mal deu pra alojar os pertences do secretário.  E as informações é de que não haverá mais nem funcionários porque foram todos demitidos, já que eram contratados – e nem vou me alongar sobre as demissões feitas neste final de ano pelo prefeito que se dizia “padre”, ou vice-versa, porque esse é o tema de uma outra matéria a ser postada no Radar.

Prédio onde funcionava a Secretaria de Educação de Coari

Prédio onde funcionava a Secretaria de Educação de Coari

E se o Esporte e Lazer ficou “desabrigado” em Coari, a Secretaria de Educação do município também não terá mais onde funcionar. O proprietário do prédio, que estava há 11 meses sem receber o aluguel, descobriu da pior forma que as contas de energia elétrica também não eram pagas, durante este mesmo período de tempo – o “padre” prefeito está administrando o município há 10 meses no lugar de Adail Pinheiro que está afastado do cargo por ordem judicial. O proprietário do imóvel foi fazer uma compra e descobriu que está com restrições em seu CPF, ou seja, com o “nome sujo” por causa da falta de pagamento das contas de energia elétrica.

Na tentativa de evitar que a dívida em seu nome se torne maior e, quem sabe, pressionar para a Prefeitura de Coari sanar pelo menos a dívida de energia elétrica, o proprietário mandou cotar a energia do prédio desde o mês passado, mas nem isso adiantou. Nem o prefeito Igson Monteiro pagou as contas de energia e nem pagou os aluguéis atrasados. O proprietário já pediu o imóvel.

Isso só demonstra como é tratada a educação em Coari, uma cidade em que está nas mãos do promotor público, Felipe da Cunha Fish denúncia de desvio de recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e da Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), desde falta de pagamento do transporte escolar, passando por salários de servidores da área de educação, e até da compra de merenda escolar – agora só resta esperar pra ver se vai dar em alguma coisa mais esta denúncia contra a Prefeitura de Coari feita ao Ministério Público.

A Secretaria de Gás e Petróleo funcionava neste imóvel

A Secretaria de Gás e Petróleo funcionava neste imóvel

E na Coari em que os royalties do petróleo e do gás natural elevam a arrecadação para nada menos que R$ 22 milhões por mês, não sobrou dinheiro para pagar o aluguel nem mesmo da Secretaria de Gás e Petróleo. Essa secretaria também foi despejada do local onde funcionava. E junto com ela, também foi despejada a Secretaria de Meio Ambiente cujo prédio já foi tomado pelo proprietário – o Radar tomou conhecimento que os servidores dessa secretaria, assim como de Esporte e Lazer, também foram demitidos.

Imóvel desapropriado coari 6

Prédio do Residencial Elizabeth que está sendo vendido por causa de dívidas deixadas pela Prefeitura de Coari

Mas, tem também dono de imóvel, que de tanto ficar sem receber o dinheiro que lhe era devido foi levado a falência. A proprietária do Residencial Elizabeth, hotel alugado para a Prefeitura de Coari, para abrigar pessoas indicadas pela administração municipal, como por exemplo policiais que prestam serviço em Coari, viu como única alternativa vender o imóvel para pagar dívidas. Como dá pra ver pela foto, o imóvel está com aviso de venda, e quem sabe não vai parar na lista de propriedades que o “padre” prefeito de Coari já adquiriu na cidade mais rica do interior do Estado. (Any Margareth)

A Secretaria de Meio Ambiente foi despejada neste prédio

A Secretaria de Meio Ambiente foi despejada deste prédio