Em dois meses, prefeito de Alvarães decide construir o segundo estádio de futebol; gastos atingem mais R$ 2,5 milhões

A cidade é a mesma que a prefeita interina contratou sem licitação por R$ 3,1 milhões empresa para asfaltar ruas alagadas

estádio alvarães

Foto: Reprodução

Lucenildo Macedo, prefeito de Alvarães (a 680 quilômetros de Manaus), decidiu que um estádio de futebol era pouco pra cidade e vai gastar R$ 994 mil, ou seja, quase R$ 1 milhão, pra construir mais um estádio, mesmo o município não tendo time de futebol que se saiba e tendo apenas 16 mil habitantes. O contrato que traz a construção do estádio foi publicado no Diário Oficial dos Municípios do Amazonas – ver na final da matéria – nessa segunda-feira (16).

Segundo a publicação oficial, o período de construção do estádio é de um ano, a partir da data de assinatura do contrato, com possibilidade de prorrogação, conforme as diretrizes da Lei de Licitações.

A empresa EMA Ltda. foi a contratada pela Prefeitura de Alvarães para executar as obras do estádio. Em consulta ao site da Receita Federal, o Radar Amazônico constatou que a empresa é localizada na rua Antônio Aguiar, bairro Urucu, lá no município de Coari (a 362 quilômetros de Manaus). Com capital social de R$ 250 mil, a empresa é administrada por Elioberto e Eliomar Monteiro de Almeida.

O Radar Amazônico noticiou, em março deste ano, que o prefeito Lucenildo Macedo fez contrato para a construção do estádio “Caiçarão”, no valor de R$ 1,5 milhões. Na época, ele disse à reportagem que a obra estava prevista para ser inaugurada no dia 4 de junho.

De acordo com a Prefeitura de Alvarães, o estádio “Caiçarão” ficou sob a responsabilidade da empresa J. L. Galvão Gonçalves, que tem como principal atividades com projetos de engenharia e fica na rua Graciliano Ramos, conj Nova República. Japiim. No site da Receita Federal, os nomes dos proprietários estão ocultos.

Até o momento, o prefeito Lucenildo Macedo não se manifestou a respeito da necessidade da construção de dois estádios de futebol.

Histórico

Não é a primeira vez que a Prefeitura de Alvarães aparece no Radar Amazônico sobre gastos milionários. No dia 13 de maio deste ano, a prefeita interina do município, Claudecy Brito Frazão (PSD), usou exatamente um Decreto de Emergência da Enchente para dispensar licitação e gastar mais de R$ 3,1 milhões para contratar uma empresa para “recuperação da malha viária” de Alvarães, mesmo com as ruas alagadas.

No dia 4 de maio, o Radar publicou que o prefeito Lucenildo Souza deve gastar mais de R$ 9 milhões com a construção de sarjetas e meio-fio no município, mas não foi encontrado projeto básico onde esteja especificada o tamanho da obra, quantos metros de sarjeta e em quantas ruas. Assim como acontece com outras administrações municipais, o prefeito não respeita a Lei de Transparência e nem a Lei de Acesso à Informação e também não é cobrado pelos órgãos de controle externo das administrações públicas.

Diário Oficial 16/05

EMA Ltda.