Em fase inicial, CPI da Amazonas Energia vai ouvir Ipem, Procon e Defensoria Pública do AM

Comissão também definiu os nomes que vão compor o quadro de suplentes da CPI

Foto: Divulgação

Na tarde desta terça-feira (19) a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) deu início aos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energia, que tem o objetivo de investigar possíveis irregularidades nos serviços fornecidos pela empresa Amazonas Energia S.A.

Na reunião de hoje, os deputados aprovaram o manual que formaliza as diretrizes dos trabalhos da comissão. Ficou definido que as reuniões vão acontecer as terças, quartas e quintas-feiras, sempre a partir das 14 horas. A participação dos parlamentares será de forma híbrida (presencial e virtual).

Nesta fase inicial, a CPI vai focar os trabalhos em ouvir as instituições voltadas à defesa do consumidor. Na quarta-feira (20) a Comissão vai ouvir o Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem-AM). Já na quinta-feira (21) será o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM). Na próxima terça-feira (26) a Defensoria Pública do Estado (DPE) será ouvida pela Comissão.

Na reunião de hoje também ficou definido, por indicação dos blocos partidários, os nomes que vão ocupar os cargos de suplência da CPI. São eles: Serafim Corrêa (PSB), Delegado Péricles (PSL), João Luiz (Republicanos), Ricardo Nicolau (sem partido) e Wilker Barreto (Podemos). Além disso, também ficou acertado que os membros terão 10 minutos para formular suas perguntas e questionamentos aos depoentes, que por sua vez terão 20 minutos para resposta (podendo ser extendido a critério da presidência da comissão), os demais membros inscritos terão 5 minutos para participação.

Ao Radar Amazônico, o presidente da comissão, deputado Sinésio Campos (PT) afirmou que as investigações da CPI, vão se concentrar tanto na capital, quanto no interior do Estado.

Vale destacar, que a empresa Amazonas Energia é campeã de reclamações em 2021. A concessionária lidera o ranking de queixas registradas no Procon-AM. Em apenas seis meses, 716 reclamações foram registradas contra a empresa.