Em Iranduba, alunos do Lago do Catalão estão sem aulas por falta de professores e infraestrutura precária


Os alunos da rede pública de Educação de Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus) estão sem aulas no município por problemas estruturais e até falta de professores. Oficialmente, as aulas deveriam ter começado no dia 6 de fevereiro.

De acordo com denúncias recebidas pelo Radar, a Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida, localizada na comunidade Lago do Catalão é uma das prejudicadas. No local, mais de 140 alunos estão fora da sala de aula, enquanto 12 professores da escola não foram notificados pela prefeitura se terão os contratos renovados ou não.

Nesta sexta-feira (22), essa situação, também foi criticada na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) pelo presidente da Casa, deputado Josué Neto (PSD) que solicitou, através de requerimento, explicações do prefeito Francisco Gomes, o Chico Doido.

Dados disponíveis no Portal da Transparência e divulgados pelo deputado Josué Neto apontam que Iranduba recebeu R$ 77,3 milhões do Governo Federal, em 2018, e R$ 9,8 milhões do Governo do Amazonas, totalizando R$ 87,2 milhões em recursos. Além de R$ 6,9 milhões repassados pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

“Essa situação chegou até nós por meio da mãe de um dos estudantes da escola. Isso é algo muito sério, uma vez que o ano letivo da rede estadual iniciou no dia 6 de fevereiro. A escola vem enfrentando muitos problemas estruturais e, segundo dados oficiais, não se pode falar em falta de recursos para a rede municipal de Ensino”, disse Josué.

Assim como o Radar noticiou, o prefeito Chico Doido faz jus ao codinome já que nomeou o ex-prefeito de São Gabriel da Cachoeira (a 853 quilômetros de Manaus), Amilton Gadelha, todo enrolado com os órgãos de controle por conta de má gestão do dinheiro público, como secretário de Educação do município.

Resultado: Gadelha não só cortou o transporte escolar dos universitários de Iranduba que frequentam universidades em Manaus como ainda fez foi deboche do desespero desses estudantes que foram reclamar e agora deixou estudantes da rede pública de Ensino sem aulas.