Em mais uma noite violenta em Manaus, seis são executados na noite dessa sexta-feira (29) (Ver vídeo)

Na última semana, 5 foram mortos em cenário similar em um único dia

A noite de sexta-feira (29) e a madrugada de sábado (30), contou com uma série de homicídios. Manaus registrou seis mortes por armas de fogo em várias zonas da cidade, incluindo um quádruplo homicídio ocorrido no bairro Colônia Antônio Aleixo, na zona Leste da capital amazonense. Foi mais uma noite de demonstração clara da criminalidade tomando conta da cidade, enquanto os líderes municipais e estaduais defendem que a cidade está segura.

Na última semana, Manaus já havia registrado cinco mortes em um único dia, após homicídios no Distrito Industrial, dois no Jorge Teixeira, um no Novo Aleixo e um duplo homicídio no bairro do Tarumã.

Foto: Divulgação

A primeira morte de ontem foi de Will Robson Pereira de Souza, 33, no bairro da Redenção. Ele estava na rua Gurupi após levar a sua moto em um mecânico. De repente, um carro chegou ao local e os ocupantes invadiram o estabelecimento e balearam Will, que morreu no local.

Depois dos disparos, os envolvidos fugiram sem serem identificados. Até o momento ninguém foi preso e a polícia já iniciou as investigações do caso.

Outro assassinato foi o de Wallace Kassio de Souza Lopes, 38. Ele estava na rua Joaquim Nabuco, no Centro de Manaus quando um veículo parou ao seu lado e o chamou. Assim que ele se aproximou, ele foi baleado pelo ocupante do carro.

A polícia também assumiu as investigações desse caso. O pistoleiro fugiu após os disparos e ainda não foi identificado.

No entanto, a maior parte da violência ocorreu na Colônia Antônio Aleixo, após um quádruplo homicídio supostamente motivado por uma guerra de facções.

Os mortos foram identificados como Leonan Junio de Sousa de 24 anos; Victor Alfredo Beltrão Dutra, de 15; Ederson Silva da Silva, de 16 anos e Eliandro Correa Maquine, de 25.

No local, informações preliminares deram conta de que o caso seria uma represália após o grupo supostamente ter executado uma rival de facção, além de ferirem outro.

Os mortos teriam invadido o bairro em um carro roubado e atacaram os membros da facção, onde teriam matado a mulher, dando início ao tiroteiro.

Eles teriam fugido de carro mas acabaram batendo. Na colisão, um dos envolvidos morreu. Após a batida, os demais membros seguiram com a troca de tiro e acabaram sendo mortos. Durante a guerra, um mototaxista foi baleado na costa. O estado de saúde dele não foi revelado.

A polícia já começou as investigações pelos criminosos, que teriam fugido após as mortes. Todos os corpos foram encaminhados para a sede do Instituto Médico Legal (IML).