Em Manaus, Bolsonaro dá pouca importância a alta histórica do dólar

Respondendo ao Radar e a imprensa local após a abertura da I Feira de Sustentabilidade do Polo Industrial de Manaus (fesPIM), nesta quarta-feira (27), no Studio 5, o presidente Jair Bolsonaro deu pouca importância a alta do dólar, que atingiu a cifra histórica de R$ 4,26 nesta semana, com os investidores reagindo a declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou que o câmbio de equilíbrio “tende a ir para um lugar mais alto”.

“Eu já falei pra vocês que quem entende de economia é o Paulo Guedes – que está viajando para fora do país -, o Pedro Guimarães da Caixa e Roberto Campos do BC, eles que tratam sobre essa questão e dei carta branca para eles. O Brasil tem que dar certo. O dólar alto como está agora, bem mais que R$ 4 tem prós e contra”, limitou-se a responder durante coletiva de imprensa.

Para especialistas, os efeitos imediatos da alta do dólar no bolso dos consumidores brasileiros são referentes às viagens internacionais, como aumento nos preço das passagens e até no preço dos combustíveis. Mas, se a alta persistir, os efeitos podem ser maiores, atingindo a inflação afastando os investidores em empreendimentos no país.

O presidente Bolsonaro voltou à Manaus nessa terça-feira (26), e como primeiro evento na capital, participou do “Culto de gratidão a Deus pela vida do senhor presidente”, realizado na Igreja Assembleia de Deus do Amazonas, no auditório Canaã, no bairro Japiim, zona Sul. Na ocasião, um grupo de manifestantes esteve em frente ao Centro de Convenções, em protesto contra a visita de Bolsonaro à capital amazonense.