Anúncio Advertisement

Em Manaus, caminhada mobiliza pessoas para o combate à exploração sexual infantil

Uma caminhada em alusão ao dia 18 de maio, data que marca o compromisso na luta contra o abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes, reuniu centenas de pessoas que entoaram gritos de guerra, levantaram cartazes e faixas, nesta sexta-feira (17) percorrendo as avenidas Camapuã e Autaz Mirim, na Zona Leste de Manaus.

Dados de janeiro a abril de 2019 apontam que estão sendo acompanhados pelos Centros de Referência Especializado de Assistência (Creas), 81 casos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Os disques-denúncias do município registraram 31 casos de abusos e dois de exploração sexual infantojuvenil.

Os alunos da rede municipal acompanhados dos pais e professores, crianças e adolescentes do Centro de Referência de Assistência Social (Cras), conselheiros tutelares, profissionais da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel) e a população que passava pelo local, caminharam pela causa.

Nas ruas, material informativo foi distribuído para motoristas, pedestres e toda a população ao redor, que foi sensibilizada e orientada quanto às violações dos direitos infantojuvenil, divulgando os canais de denúncias e da rede de proteção.

A estudante Carla Aparecida, 14 anos, levou cartazes e gritava bastante. Ela relatou que uma amiga foi abusada sexualmente até os 15 anos de idade. A adolescente também frisou sobre a importância de estar envolvida no ato, lutando pelos seus direitos, para que casos como o de sua amiga não se repitam.

“Cada pessoa que está aqui é muito importante, porque precisamos dar voz e dizer para quem sofre com esses casos, que há pessoas que se importam com elas”, afirmou a adolescente.

O evento foi coordenado pela Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc) e o Fundo Manaus Solidária.

Denúncias

A rede de proteção possui três canais de comunicação para quem sofrer ou conhecer qualquer situação de violação de direitos envolvendo crianças e adolescentes: Disque Direitos Humanos- 0800 092 6644; Disque Denúncia- 0800 092 1407 e Disque Direitos Humanos Nacional- 100.

(*) Com informações da Semasc.