Em novo ataque à ZFM, Bolsonaro quer criar espécie de “Zona Franca” no Pará

(Foto: Reprodução)

Em novo ataque ao modelo Zona Franca de Manaus (ZFM), o presidente Jair Bolsonaro sugeriu, nessa terça-feira (3), a criação de uma “Zona Franca”, no arquipélago da Ilha de Marajó, no Pará. A afirmação foi feita durante o lançamento do programa Abrace o Marajó, comandado pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

Na ocasião, Bolsonaro disse ainda que vai verificar junto ao ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre a possibilidade da criação e, segundo ele, a intenção é que nova “Zona Franca” funcione por meio de isenções fiscais, para atrair investimentos privados à região.

No Brasil, o modelo mais conhecido de Zona Franca é o que funciona em Manaus. Aqui, o governo federal e estadual concedem uma série de isenções fiscais para atrair empresas a se instalarem na região.

No entanto, essa não a primeira vez que Bolsonaro dispara comentários referentes à Zona Franca de Manaus, além de medidas que prejudicam o modelo. O último foi no dia 21 de fevereiro quando o presidente decretou redução para 8% o benefício fiscal do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) concedido a concentrados de refrigerante.

ZFM

O modelo, criado durante a Ditadura Militar, divide opiniões. Seus defensores afirmam que ele foi importante para o processo de integração da região amazônica. Seus críticos afirmam que ele cria distorções ao atrair empresas para regiões menos competitivas onerando os cofres públicos com isenções fiscais.

Uma das principais vozes contra o modelo de Zona Franca é, justamente, o ministro Paulo Guedes. Em setembro, ele classificou a Zona Franca de Manaus como “antieconômica”.

Bolsonaro defendeu a ideia de criar uma espécie de Zona Franca no Marajó argumentando que ela ajudaria a integrar a região.

(*) Com informações do O Globo