Em Parintins, morador denuncia que dejetos de esgoto de residencial está matando lago (ver vídeo)

O despejo ilegal do esgoto de um conjunto habitacional no lago Macurany está tirando o sossego de moradores do município de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus). Segundo denuncia que chegou ao Radar, fezes humanas e urina, oriunda do Residencial Vila Cristina, são lançadas diariamente no lago, o que contamina as águas e provoca mau cheiro na região.

Em vídeos enviados à reportagem, um morador do residencial relata a situação, que se agrava com as chuvas, típicas do período amazônico e mostra o momento em que esgoto do residencial é despejado no lago Macurany. “É um encontro do bem contra mal. O nosso rio irá morrer, e isso é lamentável. Todo sabem que estamos tomando uma água contaminada em Parintins”, afirmou. (ver vídeo no final da matéria)

O homem também pede apoio dos órgãos responsáveis pelo Meio Ambiente para que olhem para as famílias que moram no local e criticou a contaminação das águas. “O cheiro aqui é muito forte (…) por isso quero deixar aqui o meu desabafo sobre a morte desse rio que já está na UTI”, lamentou o interlocutor.  

Respostas 

Ao Radar, o secretário Municipal de Meio Ambiente de Parintins, Alzenilson Aquino, disse se tratar de residencial particular construído com licenciamento do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e que acionou o órgão para pedir informações sobre a empresa responsável pela construção. “Não podemos avaliar a real situação sem detalhes do processo original. Estamos no aguardo desse retorno para tomar medidas legais”, afirmou o secretário. Segundo ele, já foi realizada uma fiscalização no residencial constatando a veracidade das denúncias.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Ipaam confirmou que recebeu a denúncia da Secretaria, e atualmente está em processo de tramitação dentro do órgão. “Entretanto, estamos com uma equipe técnica do Ipaam  no município de Parintins e irão averiguar a procedência da denúncia, para que assim sejam tomadas as medidas administrativas cabíveis”, disse.

Poços contaminados

No último dia 5, foi firmado um acordo entre a Prefeitura de Parintins, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parintins (SAAE), o Ministério Público do Amazonas (MP-AM), Serviço Geológico do Brasil (antiga CPRM) e o Ipaam para resolver o problema de contaminação de poços na cidade, ocasionada, principalmente, pela falta de um sistema de coleta e tratamento de dejetos domésticos. Segundo o MP, um levantamento mostrou que metade dos poços dos 28 existentes na ilha usados para abastecimento da população estavam contaminados por nitrato, alumínio e/ou amônia.