Em resposta ao Radar, secretário de segurança nega envolvimento de PMs com o tráfico de drogas (ver vídeo)

Foto: Radar Amazônico

Em coletiva de imprensa, realizada na manhã desta segunda-feira (7), o secretário de Segurança Pública do Amazonas, coronel PM Louismar Bonates afirmou que medidas de reforço na segurança de Manaus foram tomadas para prevenir e combater os ataques de facção criminosa que têm causado pânico na população e diversos danos materiais. Em resposta ao repórter do Radar Amazônico, o secretário Louismar Bonates, negou o envolvimento de policiais militares com o tráfico de drogas.

Notícias que correm pela cidade, dão conta de acusações feitas pelos criminosos de que os ataques violentos seriam uma reposta à “milicia” composta por policiais que estaria roubando a droga e matando os traficantes “na covardia”. Um exemplo disso, teria sido a morte de “Dadinho” que teria sido morto porque ameaçou denunciar os policiais para o Ministério Público do Amazonas (MPAM) e para a Corregedoria da Polícia.

O secretário anunciou que, durante todo o fim de semana, 29 pessoas supostamente envolvidas nos atos criminosos de vandalismo foram presas em Manaus.

Uma das táticas de reforço realizada no combate aos ataques da facção criminosa, de acordo com o secretário de segurança, é a vigilância dos postos de gasolina para tentar inibir a compra do combustível usado largamente durante esse domingo e a madrugada de hoje para realizar ataques de incêndio em veículos e locais.“Temos policiamento velado (disfarçado) e explícito nos postos de gasolina”, informou.

O coronel Bonates adimitiu não saber “quanto tempo isso vai durar”, só disse esperar que os atos de violência acabem logo, ao mesmo tempo em que aguarda reforço do policiamento, com a aplicação do decreto de Garantia da Lei e da Ordem (reforço das Forças Armadas), que consiste na operação militar, em área previamente estabelecida e por tempo limitado, que tem por objetivo a preservação da Ordem Pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio.

Áreas da região metropolitana como Careiro e demais municípios também deverão receber reforço de policiamento.

Envolvimento da polícia com o tráfico

Questionado pelo Radar sobre a série de acusações que estão numa carta feita pelos membros de uma facção criminosa, entre elas, a de que o traficante “Dadinho”, morto no último sábado (5), teria sido executado estrategicamente por ter conhecimento de muitas informações sobre policiais que praticam o “arrocho”, venda de drogas apreendidas, Louismar Bonates respondeu se tratar de “inverdade”.

Em respostas, o secretário admitiu ter existido uma quadrilha de policiais corruptos, mas que já foram identificados há algum tempo e estão afastados. Sobre o envolvimento de policiais com a situação atual, ele negou incisivamente, afirmando que “não admitimos policial bandido”.

Investigação do MP

Ainda nesta segunda-feira, o Ministério Público do Amazonas (MPAM) informou, através de nota, que investigará o “contexto, dinâmica e motivação envolvidos nas práticas e antecedentes dos recentes ataques ocorridos no Estado do Amazonas”.

Confira a nota na íntegra:

O Procurador-Geral de Justiça do Amazonas, Alberto Rodrigues do Nascimento Júnior, torna público que, diante dos eventos registrados em Manaus e mais duas cidades amazonenses na madrugada do dia 06, determinou ao GAECO (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) a apuração exaustiva dos fatos, visando a identificação do contexto, dinâmica e motivação envolvidos nas práticas e antecedentes dos recentes ataques ocorridos no Estado do Amazonas.

O MPAM está atuando a partir das primeiras investidas criminosas. A apuração dos fatos segue com o máximo de amplitude e assiduidade. As investigações correm sob sigilo e, tão logo seja possível, assegurada a eficiência das diligências, haverá a devida publicidade, que vigora como regra para os atos do Poder Público, dando-se a devida transparência e retorno para a sociedade.