Em reunião com professores, governo não apresenta contraproposta de reajuste salarial

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam) e o Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (AspromSindical) reuniram-se, na noite dessa terça-feira (07), com o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), para tratar sobre o reajuste salarial da categoria. Na reunião, que durou mais de três horas, não houve aumento no reajuste, como pedem os sindicalistas, mas houve um aceno positivo para outras demandas da categoria dos professores.

Na ocasião, Wilson Lima reafirmou que o Estado está impossibilitado de conceder reajuste acima de 4,74% – sendo 3,93% da reposição da inflação e 0,81% dos resíduos da negociação do ano passado.

O Asprom informou que o “governador continua insistindo que o Estado já ultrapassou os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal e que não pode passar da proposta que já foi feita”.

No entanto, de acordo com a presidente do Sinteam, Ana Cristina Rodrigues, embora não tenha ocorrido alteração no percentual de reajuste, deu-se início a um avanço nas outras pautas da categoria.

“O governador acenou positivamente para a reavaliação do auxílio-localidade, reavaliação da concessão de vale-transporte e reavaliação do valor do auxílio-alimentação. Também se comprometeu a analisar o contrato do plano de saúde pois o sindicato reivindica atendimento no interior” disse Ana Cristina.

A presidente do Sinteam informou ainda que o governo garantiu a realização das progressões horizontais e verticais e que não haverá desconto dos dias de greve, que já completou 22 dias.

Comissão especial

Na reunião com os professores, foi criada ainda uma Comissão Especial formada por membros do Sindicato do Trabalhadores da Educação do Amazonas (Sinteam) e da Associação de Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Assprom-Sindical) e ainda membros da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM), da Secretaria de Estado de Administração (Sead) e deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A primeira reunião da comissão acontece nesta quarta-feira (8), às 14h, na Secretária de Estado da Fazenda (Sefaz), localizada na avenida André Araújo, zona centro-sul.

Governo

Em nota, o governo informou que reafirma a proposta de pagar a data-base salarial de 2019 e perdas residuais referentes às datas-bases de 2015 a 2018, totalizando reposição de 4,74% e que o objetivo da comissão especial é encontrar alternativas de ganhos aos educadores que sejam viáveis financeiramente para o Estado e que não infrinjam a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Wilson Lima determinou que a comissão apresente resultados até a próxima sexta-feira (10), para que sejam levadas a categoria as possibilidades do Estado em relação ao auxílio localidade, alimentação e transporte.