Anúncio

Em reunião tensa, Doria cobra equilíbrio, e Bolsonaro pede que tucano saia do palanque

Foto: Reprodução

Em videoconferência na manhã desta quarta-feira (25) para tratar do enfrentamento ao coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro disse ao governador João Doria que o paulista não tem autoridade para criticá-lo após ter sido eleito as suas custas e depois ter lhe virado as costas.

— Subiu a sua cabeça a possibilidade de ser presidente do Brasil. Não tem responsabilidade. Não tem altura para criticar o governo federal — disse o presidente.

Tinga nega participação no pronunciamento de BolsonaroTinga nega participação no pronunciamento de Bolsonaro
Sociedade Brasileira de Infectologia e outras entidades médicas se manifestam sobre pronunciamento de BolsonaroSociedade Brasileira de Infectologia e outras entidades médicas se manifestam sobre pronunciamento de Bolsonaro

O embate entre Doria e Bolsonaro ocorreu diante dos demais governadores do Sudeste durante teleconferência com o presidente da República.

— Se você não atrapalhar, o Brasil vai decolar e conseguir sair da crise. Saia do palanque —disse Bolsonaro a Doria.

O governador de São Paulo havia recomendado equilíbrio ao presidente e fez críticas à condução de Bolsonaro no enfrentamento do coronavírus, especialmente com relação ao pronunciamento em rede de rádio e TV na noite de terça-feira (24):

— Estamos aqui, os quatro governadores do Sudeste em respeito ao Brasil e aos brasileiros, e em respeito ao diálogo e ao entendimento. Mas o senhor que é o presidente da República tem que dar o exemplo, e tem que ser o mandatário a dirigir, a comandar e liderar o país e não para dividir.

Doria ainda pediu a Bolsonaro que acelere a liberação de insumos e equipamentos e que não confisco de respiradores, o que detonou a reação do presidente.

Assim como o paulista, os demais governadores lamentaram as declarações de véspera do presidente. O governador do Rio, Wilson Witzel, disse que não seguirá as orientações do presidente.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, disse que nunca desejou tanto que um presidente estivesse certo em seu pronunciamento. Mas que, por questão de responsabilidade, não poderia pagar para ver. Ele também criticou as orientações dadas por Bolsonaro.