Em seu primeiro ano de gestão, David Almeida repassou mais de R$ 280 milhões aos empresários do transporte coletivo

Este valor é quase o dobro do que foi repassado em 2020 pela administração anterior

Foto: Divulgação Semcom

Foto: Divulgação Semcom

O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante) repassou em 2021, em seu primeiro ano de gestão, mais de R$ 280 milhões para os empresários do transporte coletivo de Manaus, através do Fundo Municipal de Mobilidade Urbana (FMMU). Esse valor é quase o dobro do que foi repassado às empresas do transporte coletivo de Manaus no ano de 2020 pela administração anterior, que o subsidiou o sistema de transporte urbano com cerca de R$ 147 milhões (ver repasses tanto da administração passada quanto da atual no final da matéria, conforme Portal da Transparência da Prefeitura de Manaus).

Vale lembrar que o Fundo Municipal de Mobilidade Urbana foi criado através da Lei nº 2.552, de 17 de dezembro de 2019, com a finalidade de “promover os suportes técnicos e financeiro necessários às políticas de melhoria da mobilidade urbana”. Além de melhorias no sistema, o subsídio às empresas de transporte coletivo, foi implantado como forma de manter o preço da passagem em R$ 3,80, o que vem acontecendo há 5 anos.

Ama de Leite

No início do ano passado, logo após assumirem seus mandatos, David Almeida e Marcos Rotta fizeram duras críticas à administração anterior, por causa de repasses mensais de cerca de R$ 13 milhões para as empresas de transporte coletivo, feitos pelo seu antecessor, com recursos do FMMU.

Na época, o vice-prefeito Marcos Rotta, que também ocupou esse cargo durante a administração de Arthur Neto, chegou a dizer que “a prefeitura virou uma ama de leite dos empresários do transporte coletivo”.

“Essa relação que existe hoje – ama de leite dos empresários do sistema de transporte coletivo –, isso não vai ter mais. Isso eu posso garantir para você, porque isso o David vem falando, essa benesse, essa questão muito próximas do poder público com as empresas não vai ter mais”, critico.

Mas, se a prefeitura na gestão anterior era uma “ama de leite” subsidiando o sistema de transporte coletivo com R$ 13 milhões mensais, o que dizer da prefeitura de David Almeida que chegou a pagar R$ 54 milhões, em apenas um mês (dezembro de 2021) para os empresários do transporte coletivo?.

Veja repasse de dezembro

 

Vale lembrar que a atual administração municipal aumentou para mais de R$ 280 milhões o valor pago aos empresários do setor sem que precisassem dar como contrapartida sequer o mesmo serviço, já que a demanda por transporte coletivo ficou bem menor em tempos de pandemia, com as pessoas isoladas em casa.

Diminuir o preço

Tanto o prefeito David Almeida, quanto o vice, Marcos Rotta, no tempo em que assumiram a prefeitura de Manaus, em janeiro do ano passado, defendiam inclusive a redução do subsídio às empresas do transporte coletivo alegando a má qualidade do serviço.

“Não é justo que o Poder Público continue pagando R$ 12 milhões, R$ 13 milhões por mês por um serviço totalmente precário, ineficaz, que não é pontual e que não honra o contrato”, dizia Rotta à época.

Já o prefeito de Manaus, David Almeida, numa entrevista coletiva à imprensa chegou até mesmo a dizer que dava pra diminuir o preço da passagem para R$ 3,75 (três reais e setenta e cinco centavos)

Mas, que se saiba do ano passado pra cá, nada mudou no precário serviço prestado pelas empresas de ônibus e nem o valor da passagem diminuiu, o que mudou foram os milhões depositados nas contas dos empresários do transporte coletivo.

Veja repasse da gestão de Arthur Neto

Veja repasses da gestão de David almeida