Em três meses de Governo, Wilson empenha quase R$ 11 milhões em propaganda

Na contramão do discurso acusando os governos passados de ter gastado muito e gastado mal os recursos dos cofres públicos, o Governo de Wilson Lima (PSC), que alcançou o pioneirismo ao ser o primeiro a ultrapassar o limite determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para gastos com pessoal – isso não sai na Crítica! -, também não tem economizado para promover sua imagem – isso sai na Crítica!

Em menos de três meses, Wilson Lima já empenhou mais de R$ 10,7 milhões com três empresas para despesas com publicidade e propaganda do seu Governo. O valor já corresponde a 25,14% de todo orçamento da Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) – comandada pela ex-chefe de Wilson Lima e ex-gerente de jornalismo do Grupo Calderaro, Daniela Assayag – para o ano inteiro.

Dos quase R$ 11 milhões, R$ 6 milhões devem ser pagos à Mene e Portella Publicidade Ltda, R$ 2,8 milhões serão pagos à Kintaw Design e Publicidade Ltda. e R$ 1,8 milhões foram empenhados à View 360 Publicidade e Comunicação Integrada Ltda. E olha que Wilson andou dizendo para os quatro cantos do Amazonas que publicaria um decreto determinando a redução de gastos. Um bom início para os cortes seriam com os gastos com publicidade, não é meu povo?

Enquanto diz que vai reduzir gastos, Wilson autoriza que a Secom gaste quase R$ 11 milhões, em menos de três meses, com propaganda no horário nobre das emissoras de televisão, com banners e faixas nos portais de notícias e com vinhetas nas emissoras de rádio falando que na Saúde todos os problemas já foram resolvidos, não falta medicamento, as vacinas contra o H1N1 já chegaram e na Segurança os números de homicídios reduziram e os assaltos a ônibus diminuíram – isso sai na Crítica como a mais pura verdade, mas logicamente só se for muito bem pago!

Mas, na realidade, na vida real – aquela que não aparece na propaganda e nem dá no A Crítica – a história é outra: pacientes renais crônicos sofrem para fazer hemodiálise, não há remédio na rede pública de Saúde, a cada dia a violência toma conta do Estado com organizações criminosas montando até “hospitais” em casas e pais de família morrendo vítimas de roubos, como o motorista de ônibus que morreu ao reagir a um assalto. São esses alguns dos fatos que a propaganda de Wilson não mostra, não quer mostrar, mas que o povo vivencia a cada dia. E isso é porque só estamos falando da capital né meu povo?

Se começarmos a falar da falta de infraestrutura no interior, aí sim não terá propaganda que dê jeito Wilson!