Empresa de telefonia será investigada por falha no serviço em Santa Isabel do Rio Negro

Imagem Ilustrativa

As constantes falhas no fornecimento de telefonia móvel da empresa Claro S/A, em Santa Isabel do Rio Negro (distante 631 km de Manaus), são alvo de investigação do Ministério Público do Amazonas (MPE-AM). A abertura do inquérito foi publicada no Diário Oficial do órgão, da última sexta-feira (17) (Veja documento no final da matéria).

De acordo com os usuários do serviço, há uma dificuldade de efetuar chamadas para outros telefones móveis ou fixos dentro do Município. Segundo os relatos que constam na denúncia, a ligação sempre cai ou fica muda, e as que não caem, a qualidade deixa a desejar.

Em relação às mensagens de SMS, os clientes da Claro relatam demora de envio, chegando ao destinatário após muito tempo.

Segundo o documento, o sinal de internet é bastante precário e fornecido apenas em formato E (Edge) e H (HDPDA), porém o serviço ofertado e amplamente divulgado pela companhia é de rede 4G.

De acordo com o inquérito, a empresa de telefonia terá um prazo de 15 dias para apresentar o contrato de concessão; o perímetro de abrangência do sinal de telefonia e internet; a velocidade de rede de internet contratada; o prazo de validade da concessão, assim como planejamento de ampliação de sinal de telefonia e de internet no Município de Santa Isabel do Rio Negro.

A Claro também deve informar quantas antenas ou torres de transmissão estão instaladas no município, especificando locais, aonde estão instaladas, qual o alcance territorial e quantos aparelhos cada antena possui a capacidade de atender.

O assessor ministerial do município, Carlos Vinicius Andrade de Souza, foi nomeado para secretariar os trabalhos e cumprir a diligências.

Veja o documento no final da matéria.