Empresa é investigada pelo MP por causar derramamento de óleo em fluxo d’água

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) instaurou um inquérito civil para identificar as causas do dano ambiental em um fluxo de água, causado pela empresa de sabão e detergentes sintéticos, Ceras Johnson Ltda, que fica localizada no bairro Tarumã, zona Oeste de Manaus. (Veja documento no final da matéria)

O inquérito civil Nº 038.2019.000391, divulgado no Diário Oficial do MP-AM na edição desta quinta-feira (16), determina que sejam identificadas as causas do derramamento de uma substância oleosa em curso d’água, desrespeitando as exigências ambientais legais; bem como a adequação ambiental dos processos industriais e de funcionamento de Ceras Johnson Ltda.

De acordo com o documento, o inquérito é decorrente do processo administrativo proveniente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) que autuou a empresa investigada por causar dano ao meio ambiente e não informar o ocorrido imediatamente ao instituto ambiental.

Consultada no site da Receita Federal, a empresa Ceras Johnson Ltda está inscrita no CNPJ 33.122.466/0007-04 e tem como principais atividades a fabricação de sabões e detergentes sintéticos. Entre as atividades secundárias está a fabricação de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal. No geral, essas atividades são extremamente prejudiciais ao meio ambiente em casos de acidente, vazamento ou derramamento.

De acordo com o MP-AM, a empresa deverá ser notificada e pode ser ouvida em data ainda não definida.

Outros casos

Em abril deste ano, a empresa Transbetume Comércio e Transporte de Betumes Ltda foi multada em R$ 600 mil pelo vazamento de 30 toneladas de emulsão asfáltica que atingiu o Rio Negro. Segundo o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), a área atingida pelo material foi de 1.500 metros quadrados.

Diante das alegações, a empresa foi notificada a paralisar suas atividades até regularizar a LO junto ao Ipaam. Além disso, ela terá que apresentar a nota fiscal e a ficha de emergência do produto envolvido no sinistro.

Confira documento na íntegra: