Empresa será autuada por descartar irregularmente resíduos sólidos

A empresa Sharp do Brasil, localizada na avenida Buriti, no Distrito Industrial, zona sul de Manaus, será autuada por ter um aterro irregular na sede da empresa. Pelo menos 700 toneladas de resíduos aterraram uma piscina de grande porte no local. A fiscalização foi feita pelo Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), nessa quinta-feira (3).

Os responsáveis pelo local já foram identificados e serão autuados por lançar resíduos sólidos em desacordo com as exigências estabelecidas em atos normativos do Estado. Além disso, eles foram multados. O valor pode chegar a R$ 1 milhão e a empresa terá que remover e dar destino adequado aos resíduos descartados irregularmente.

Inicialmente a fiscalização ocorreu devido análises feitas por satélites, a mesma ferramenta que o Instituto vem usando para identificar os focos de queimadas e desmatamento no Estado.

Material

Grande parte do material encontrado no local é composto por produtos plásticos, aparas de componentes eletroeletrônicos e mecânicos, além de diversos materiais descartáveis.

“Após conversa com o representante da empresa, foi possível atribuir essa degradação ambiental que foi causada por uma empresa de tratamento e processamento de resíduos industriais que alocava a área para execução de suas atividades. A piscina tem uma área de 500 metros quadrados e a quantidade de material descartado irregularmente está estimado em 700 toneladas”, informou o gerente de fiscalização do Ipaam, Hermógenes Rabelo.

Esses resíduos, descartados de forma irregular, causam contaminação do solo e do lençol freático, a partir da decomposição de seus constituintes, pois liberam compostos tóxicos e que podem atingir corpos d´água adjacentes, causando assim danos irreversíveis ao meio ambiente.

(*) Com informações do Ipaam