Anúncio Advertisement

Enquanto políticos fazem festa, o caos se instala nos hospitais da cidade

Nessa terça-feira (1º), enquanto o governador Amazonino Mendes (PDT) se reunia com secretários de Estado – inclusive o da Saúde – no Palácio Rio Negro para fazer a transmissão do cargo ao governador eleito Wilson Lima (PSC), pacientes padeciam no primeiro dia de 2019 sem atendimentos médicos no Hospital e Pronto Socorro João Lúcio, na zona Leste de Manaus.

De acordo com fontes do João Lúcio, os funcionários terceirizados não foram trabalhar por conta da falta de pagamento dos salários, atrasados pelo menos desde novembro do ano passado.

Segundo relatos de um acompanhante de um paciente que espera atendimento no João Lúcio na sessão de politrauma há apenas um enfermeiro e três técnicos de enfermagem. A sessão é destinada ao atendimento de vítimas de arma branca (faca) e de fogo, além de acidentes de trânsito. A falta de atendimento ocorre justamente em um período onde o número desse tipo de trauma aumenta em decorrência das festividades de fim de ano.

“Com o tempo e a chegada de novos pacientes, a situação está se tornando caótica”, disse a fonte do Radar que preferiu não se identificar.

Veja imagens: