Entre o tapinha nas costas e o eleitor

braga-chico

O candidato do PMN ao Governo do Estado, deputado estadual Chico Preto, enviou ao Radar um texto de sua autoria, sobre sua participação no debate realizado pela TV Band, na noite desta quinta-feira (28), cujo teor é o seguinte: 

Ontem foi o primeiro debate desta eleição e uma coisa me chamou a atenção: a sanha, nas redes sociais, que determinado grupo de pessoas tem em esperar que o debate seja na lama, com agressões e ofensas para se justificar um projeto para o Amazonas. 

Penso que essas pessoas ainda não entenderam a minha forma de fazer política. Para mim, as posições críticas que não envolvam programa de governo devem ser apresentadas em um momento que não no debate, como o fiz com muita clareza com Eduardo Braga e com o José Melo, como pode ser visto nas próprias redes sociais ou entrevistas ao longo desta campanha. Debate para mim é o espaço para apresentar propostas e não dar ralho ou querer jogar para a torcida. A população não merece isso e eu que esperei tanto tempo para ter essa oportunidade, também não.

Neste espaço quero discutir propostas, fazer críticas sem ter que usar desse expediente. Há os candidatos que o fazem. Vai de cada um. E isso lhes redem aplausos, mas tenho minhas duvidas se se traduz em votos. Sei que gera bastante tapinhas nas costas, mas, em minha opinião, em nada acrescenta para o processo de mudança na política, já tão esfolados pelos próprios políticos.

Cada um tem uma opinião e um papel a cumprir.

Quero apresentar propostas – que aliás estão sendo copiadas por quase todos os candidatos. Quando Melo fala de ensino técnico no ensino médio e o Marcelo Ramos em fazer um aquário de água doce, entre outros, fico muito feliz. Sinal de que quem ganhará no final da campanha é a população do amazonas, com propostas inovadoras e que não viriam à tela se não pautássemos em nosso programa de governo. Esta é a minha contribuição ao debate: propostas, projetos e capacidade de discuti-los. As arengas e ódio alheios não me contaminarão. Fato: não tenho inimigos, não tenho ódio. Tenho adversários, cujas idéias e projetos discutirei e questionarei. As velhas brigas de debate ficam para fazer o deleite de quem não espera outra coisa mais. Repito: não busco tapinhas nas costas. Não tenho essa vaidade. O tempo já me amadureceu o suficiente para não cair nessa armadilha. Prefiro apresentar propostas. Esse é a minha forma de fazer política, minha opção é o eleitor.

Abraços, Chico Preto