Anúncio

Equipe amazonense do Ctara disputa Jubs de Lutas em Goiânia (GO)

Valendo vaga para disputar o Mundial Universitário de Wrestling, que será entre os dias 05 e 09 de setembro, no Ginásio Rio Vermelho, em Goiânia (GO), seis atletas praticantes de luta olímpica do Centro de Treinamento e Alto Rendimento da Amazônia (CTARA) participam, nesta sexta-feira (13), dos Jogos Universitários Brasileiros de Lutas (Jubs 2018). A competição é organizada pela Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU).

De acordo com o técnico e presidente da Federação Amazonense de Luta Livre Esportiva (Falle), Waldeci Silva, o trabalho com a equipe foi bastante intenso, com treinos em três turnos. “O grupo está bastante focado e tenho certeza que teremos resultados excelentes. Temos seis atletas que irão competir, que são Andria Pimentel (57kg), David Moreira (65kg), Rodrigo Falabella (70kg), Wilson Miranda (74kg), Matheus Frota (74kg) e Lucas Machado (79kg). O técnico é o professor David Uchoa”, explicou.

Participando pela primeira vez da competição, David Moreira, de anos, está bastante empolgado. “Estamos treinando há dois meses para competir e estamos preparados. Minha expectativa é a melhor possível, ainda mais por valer vaga para o Mundial e o melhor, ele vai acontecer aqui no Brasil. Espero que os melhores resultados possam ser obtidos e eu possa representar bem o meu Estado e todos os ensinamentos repassados até aqui”, disse.

A vice-presidente da CBDU e presidente da Federação Amazonense Universitária de Desporto (Faud), Lilian Valente, falou sobre Manaus já ter sediado esta competição em 2016 e acredita que a equipe amazonense terá um bom rendimento neste ano, já que os resultados na modalidade lutas sempre foram expressivos no Estado.

“Apesar de a luta olímpica ser uma modalidade relativamente nova tanto a nível nacional quanto estadual nos Jogos Universitários, o Amazonas já possui um ótimo histórico, inclusive com um atleta, Helton Henrique, que integrou a seleção brasileira universitária, por exemplo. Por se tratar de seletiva para o Mundial, é importante que consigamos dar continuidade nesse trabalho e garantir cada vez mais espaço nesta modalidade.