Está provado, o Brasil faz festa como ninguém, até vaia no Temer foi linda!

Maraca e Temer VaiaPelo visto só os políticos brasileiros continuam fazendo vergonha porque o que se viu na cerimônia de abertura das Olímpiadas no Rio de Janeiro foi de deixar qualquer um cheio de orgulho da criatividade, da beleza, da exuberância da festa que deu início aos jogos olímpicos.

A prova disso é que a imprensa internacional disparou todo tipo de elogios para a cerimônia de abertura, dos Estados Unidos, passando pela Europa e em toda a América do Sul. O inglês The Guardian classificou de simples e elegante a maneira como Paulinho da Viola cantou o Hino Nacional.

E até os hermanos argentinos que vivem às turras com brasileiros se derreteram em elogios para a maior festa do esporte no mundo feita pelo Brasil. “Uma festa de música, cores e esporte no Rio de Janeiro, à altura da cidade maravilhosa, com ritmo e beleza”, definiu o argentino Clarín.

E se eles acharam isso imagina nós, né mesmo gente? Euzinha cheguei as lágrimas várias vezes. Foi lindo ver como esse povo insiste em se feliz apesar de tanta luta, tantos sacrifícios e tantas decepções. Esse povo sabe enternecer até o mais duro dos corações. Emocionar é realmente ofício de brasileiro.

E nesse espetáculo planetário feito pelo Brasil foi lindo ver e ouvir até mesmo as vaias para o presidente interino – além de outras qualificações que é melhor eu nem dizer – Micher Temer. Ele bem que tentou se livrar das vaias. Sequer foi anunciado no começo da cerimônia de abertura como previa o protocolo, prevendo que ia ser apupado.

E mesmo dizendo apenas uma frase ao declarar abertos os Jogos Olímpicos, não escapou da vaia, dos gritos de Fora Temer abafados pela organização da festa com o aumento do volume da música, sem contar com os cartazes com a mesma expressão que pessoas insistiam em mostrar bem na hora das entrevistas globais – cenas engraçadíssimas!

E até essas manifestações de insatisfação não tiraram sequer um brilhinho da festa grandiosa que o Brasil soube fazer para o mundo ver! (Any Margareth)