Estou no grupo da “morte”!

Essa expressão foi usada por um dos candidatos a deputado estadual que é do PSD, partido do ex-governador e candidato ao Senado, Omar Aziz, depois que viu a lista de candidatos que disputam uma das 24 vagas na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) pela coligação do governador José Melo, candidato à reeleição. Porém ele confidenciou que pior ainda é a situação dos candidatos a deputado federal. “Eles estão correndo da sala pra cozinha sem saber o que fazer”, define o candidato a estadual. Dizem os especialistas nesta questão de calcular coeficiente eleitoral que a coligação do governador José Melo faz três, ou no máximo quatro, deputados federais – lembrar que são oito vagas do Amazonas na Câmara Federal. Mas, só candidatos à reeleição, nas hostes de Melo, já são quatro: Silas Câmara, Carlos Souza, Átila Lins, os três do PSD de Omar, e mais Pauderney Avelino, do DEM. Porém, como se não bastasse que um deles estivesse sob risco de não se eleger, ainda colocaram no jogo da disputa para federal, o filho de Artur Neto, o deputado estadual Artur Bisneto (PSDB), cuja eleição o pai prefeito não faz segredo quando diz que é sua principal missão no pleito desse ano. E ainda tem o senador Alfredo Nascimento que vendo suas chances encolherem na disputa para a reeleição ao Senado decidiu ficar pelo menos com uma cadeira de federal. “Tem gente que tá se sentindo como bucha de canhão, usado apenas como captador de votos para eleger o Bisneto e o Alfredo, enquanto está morto no processo eleitoral”, diz o candidato do partido de Omar.

Voto Consciente

Uma campanha para incentivar o eleitor a votar com consciência nas eleições desse ano será realizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A maior corte de Justiça eleitoral do País deseja que os eleitores saibam em quem estão votando, buscando informações sobre a vida pregressa de seus candidatos. Pelo amor de Deeeus, nobre eleitor, faça o favor de ler a relação dos chamados “fichas sujas” para não nos impor a obrigação de ter que aturar conviver com esse tipo de gente mais quatro anos.

Voto roubado

Mas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) além de fazer campanha pelo voto consciente, também deveria conscientizar os Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), nos Estados, a realmente garantir eleições “limpas”. Quem já viveu a experiência de eleições no interior já viu a compra de títulos de eleitores e carteiras de identidades, que possibilitam que lambaios dos prefeitos votem por outras pessoas. E ainda tem um “fenômeno” de surgir em determinados municípios, de uma eleição para outra, mais de cinco mil eleitores que não existiam antes. Isso interfere decisivamente numa eleição e põe no poder pessoas que o povo não queria. Mas, que os TREs dos Estados dizem que foram eleitas pelo voto e ponto final, sem questionar de que forma esses foram foram “conquistados”.