Estudantes da Ufam protestam por falta de professores em Coari

Com cartazes em mãos, os alunos do curso de Medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) do campus de Coari (a 366 quilômetros de Manaus), realizaram um protesto pela falta de professores e aulas na unidade, na manhã desta segunda-feira (15). Os estudantes ocuparam o prédio da instituição para reivindicar  a contratação de mais profissionais.

O presidente do Centro Acadêmico de Medicina, o estudante Hiago da Silva, relata que desde 2016, a universidade não possui professores formados para ministrar os conteúdos clínicos para os 40 alunos distribuídos nas três turmas do curso. Atualmente, as turmas são atendidas por apenas três professores médicos.

“Estamos lutando desde que chegamos aqui. Já retomamos a coordenação da Ufam, Conselho Diretor e muitos outros, inclusive à Reitoria para tentar solucionar essa situação. Até mesmo uma equipe do MEC esteve na Ufam de Coari, mas nada foi solucionado”, reclama Hiago.

Segundo ele, os professores atuam apenas em período quinzenal no município, em regime de 20 horas semanais, o que causa déficit no ensino.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas recomendou ao reitor da Ufam, Sylvio Puga, a estruturação do curso de Medicina da universidade em Coari e a reavaliação do plano pedagógico do curso, compatibilizando a carga horária de cada disciplina ao que é ministrado na capital.

Procurada pelo Radar, a assessoria da Ufam informou que o reitor, Sylvio Puga está em Coari e deve tratar diretamente com os alunos sobre as reivindicações. Uma nota oficial deve ser emitida pela instituição após o encontro.

Com informações da assessoria de imprensa.