Estudantes do Morro da Liberdade foram às ruas contra o abandono escolar

Mais de 34 mil alunos deixaram o estudo na rede pública de ensino no Amazonas, em 2018. Com o objetivo de mitigar esses números, 500 pessoas entre estudantes, suas famílias e servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM), foram às ruas no Morro da Liberdade, nesta terça-feira (13), para sensibilizar a população em geral sobre os problemas do abandono escolar.

O evento faz parte da “Semana de Mobilização da Comunidade Escolar para a prevenção do abandono escolar”, realizado pelo “Projeto Permanecer: prevenção e redução do abandono escolar” da Seduc-AM. Durante toda a semana, instituições de ensino da rede pública estadual, tanto da capital quanto do interior, realizarão diversas atividades com a temática.

O objetivo principal é intensificar o trabalho já realizado nas instituições de ensino da rede estadual, de acordo com a técnica responsável pelo “Permanecer”, Luciane Falcão, e envolve tanto estudantes quanto suas famílias, o corpo discente (professores, pedagogos e gestores) quanto a comunidade do entorno.

“A escola monitora a infrequência e realiza a Busca Ativa, procurando saber e resolver as questões que resultam em faltas em sala de aula. O ‘Permanecer’ é realizado durante todo o ano e a Semana leva ‘para fora’ o trabalho desenvolvido dentro das escolas”, assinalou.

Outras atividades 

Os alunos da Escola Estadual Frei Mário Monacelli (no Distrito Industrial II) realizaram apresentações sobre o abandono escolar apontando os principais motivos para a desistência. Os estudantes das Escolas Estaduais Ernesto Pinho Filho e Ana Lúcia de Moraes também fizeram cartazes e pôsteres para a mobilização.

Servidores da Gerência de Programas e Projetos Complementares, que integra o Departamento de Políticas e Programas Educacionais (Deppe-Seduc-AM), foram até à Escola Estadual Isaac Sverner, onde palestraram e tiraram dúvidas dos alunos do Ensino Médio.

Números  

O Plano Estadual de Educação (PEE) aponta que os maiores índices de reprovação e do abandono e evasão escolar são no Ensino Médio e na Educação de Jovens e Adultos (EJA), onde há maior ocorrência de gravidez precoce não planejada e falta de percepção da importância dos estudos para a vida pessoal e profissional.

“Dentre os principais fatores estão o desinteresse do aluno pela escola; organização curricular desarticulada dos anseios e das necessidades dos adolescentes e jovens; busca por trabalho; não conciliação do emprego com o estudo; extrema pobreza; falta de perspectiva ou objetivos aliados à falta de apoio familiar”, explicou a gerente de Programas e Projetos Complementares (GPPC), Aldenise Araújo da Silva.

Com informações da assessoria da Seduc-AM.